14 de outubro de 2013

Professor, que efeitos têm as palavras que dizes?

Olá pessoal,







E lá vamos caminhando para 3 anos de Educação em Foco (1º post do blog)... Fiquei aqui pensando sobre os assuntos que venho falando no blog neste tempo e  relacionei estes pensamentos à minha profissão, que por coincidência - ou não - tem amanhã um dia para ser comemorada.

Para muitos, um dia de folga, para outros um dia, e só, ainda outros, um dia de frustrações... Mas para mim, e creio que para muitos outros, um momento de reflexão. 

Já ouvi dizer que duas cabeças trabalham melhor que uma. Portanto, decidi refletir neste tempo com o nosso grande escritor Fernando Pessoa:

____________________

Ah, mas como eu queria lançar ao menos numa alma alguma coisa de veneno do desassossego e de inquietação. Isso consolar-me-ia um pouco da nulidade de ação em que vivo. Perverter seria o fim da minha vida. Mas vibra alguma alma com as minhas palavras? Ouve-as alguém que não eu?

Fernando Pessoa feito Bernardo Soares em O Livro do Desassossego, Companhia das Letras, 2011, p. 99.


____________________

Resolvi compartilhar esta reflexão porque vejo nela um pouco de todos os professores que tenho observado ao longo de meu trabalho. 

Com sutileza, Pessoa traz à memória a luta que é fazer nossa presença e nossas vozes serem notadas na sala de aula. 

Também nos impulsiona a refletir sobre a importância de estarmos atentos à inquietação porque sem ela o ser humano não se "REmove". Apenas repete, repete e repete...

Perverter seria o fim da minha vida... Pra mim esta perversão seria cumprir com satisfação a "missão" que a educação nos põe às mãos. Não falo de sanar todos os problemas, mas de ter consciência de si, do seu trabalho e dos resultados que deles virão, pois, ainda são poucos os professores que gozam desta plenitude!

Por fim, me pergunto e pergunto a você também. Será que queremos e estamos dispostos a fazer com que nos ouçam? 

Antes de algumas respostas já vou dizendo... Não basta ir às ruas e se unir a milhões de pessoas, agregar-se a sindicatos sem saber que função tu exerces ali. Manifestação não é festa!! É coisa muito séria e séria mesmo! 

Para que sejamos ouvidos temos que lutar primeiro em nossas escolas e buscar a consciência política de que não estamos ali não para submetermo-nos às ordens, mas trabalharmos juntos para que ocorram as mudanças. Afinal, somos uma comunidade. 

Para sermos ouvidos precisamos saber ouvir e isto requer estudo, preparo, disposição. Professor para ser ouvido precisa ser pesquisador. E digo pesquisador no sentido de ter olhar crítico diante das situações  vivenciadas diariamente.

Eis então, o motivo de minha reflexão. Por aqui estou sempre a falar sobre formação dos professores e de seu papel social. Esta é uma função que assumi lá no inicio do blog. E a pergunta a que me atenho hoje é sobre as inquietações que tenho proposto: 

"Ouve-as alguém que não eu?"

Esta pergunta é crucial na vida de um educador, principalmente daqueles que sabem ou querem saber o que, de fato significa, educar. 

Ouvir e ter respostas são passos importantes para uma grande transformação.

Pense nisso!


Tenham todos uma ótima semana

4 comentários:

Anne Lieri disse...

Vanessa,eu adorei a sua reflexão e nos fez refletir tb. Mesmo eu, já aposentada,penso muito nas sementes que plantei,mas bem mais nas que não consegui plantar por falta de tempo ou do que quer que fosse. Desejo que nossa voz seja ouvida um dia, mesmo que sussurrada,porque é essa a nossa missão como educadoras! Feliz dia dos professores,colega! bjs,

Suely Aymone disse...

Oi, Vanessa!

Quem dera, também, "lançar ao menos numa alma alguma coisa de veneno do desassossego e de inquietação"... penso que esse é um de nossos papéis... perguntar, duvidar, ouvir, buscar respostas, para, em seguida, ter mais perguntas... por isso amo ser professora! por isso amo estar com @s alun@s!!!
Lindo texto!
Parabéns pelo dia d@s professor@s!!!

Suely Aymone disse...

Oi, Vanessa!

Quem dera, também, "lançar ao menos numa alma alguma coisa de veneno do desassossego e de inquietação"... penso que esse é um de nossos papéis... perguntar, duvidar, ouvir, buscar respostas, para, em seguida, ter mais perguntas... por isso amo ser professora! por isso amo estar com @s alun@s!!!
Lindo texto!
Parabéns pelo dia d@s professor@s!!!

Toninha Borges disse...

As palavras machucam conforme é dita.
Todo cuidado é pouco.
Bju