30 de setembro de 2013

Pela vida e pelas crianças

Olá pessoal.


Como todos sabemos outubro é tempo de alegria. Já já chegamos ao dia das crianças e nesta data tão especial, não podemos deixar de fora a reflexão sobre o que é ser criança.

Imagem daqui
Durante muito tempo, como vemos na história, elas foram tratadas como adultos em miniatura. Eram educadas de forma bruta e as cobranças iam muito além do que o tempo e a idade delas podia suportar. 

O tempo foi passando, os estudos se aprofundando e agora, embora saibamos que a criança precisa brincar e que é na brincadeira que ela aprende muitas instituições escolares, professores, pais e amigos continuam pensando nos pequenos como adultos. 

Confesso que minha maior decepção é saber que ainda há crianças espalhadas por "estes países" sem escola e escravas da exploração infantil. 

Por isso o título do post de hoje.

Estou aqui para convidar você professor, você pai, você gestor a deixar um pouco de lado a parte burocrática da educação. Neste mês, vamos pensar nas crianças!!  Refletir sobre o que é ser criança e deixar que a criança que ainda existe dentro de nós se una aos nossos alunos e nos permita sentir, mais uma vez, o gostinho da inocência e desta grande experiência de nossa vida. 

Que tal reunir experiências? 
Aceitam o desafio!?

Diga ai uma experiência que muito te marcou na infância. E por que ela é tão importante pra ti. 


Uma Ótima semana a todos 


6 comentários:

Augusto Sperchi disse...

Oi Vanessa! Este tema já gerou, como bem disse, muita reflexão positiva, mas que ainda as crianças são tratadas de maneira errada pelas escolas e por muitos pais. Penso que todo dia é dia de criança e que em todos eles elas devem brincar e brincar de aprender, para que se desenvolvam e se humanizem de tal forma que não seja preciso corrigi-las na vida adulta.
Nossa sociedade é doente e esquizofrênica, gerando adultos incompletos, desumanizados, infelizes, justamente porque não possui condições de repassar para suas crianças aquilo que é de fato humanizante.
Esse dia mencionado por você é mais um péssimo exemplo (consumismo), que distorce a importância do "TER" em detrimento do "SER" e gera nas crianças falsas expectativas e resulta em fracassos na vida adulta.
Não tenho pronto um modelo de educação, mas sei que o tradicional (em voga) não tem apresentado resultados humanizantes.
A discussão ainda continua, pois sua postagem é reflexiva.
Bela semana para você!

Vanessa Vieira disse...

Olá Augusto. Concordo plenamente com tua posição. Sobre o dia da criança tenho a mesma opinião. Um consumismo exagerado que acaba causando mais decepção ainda nas crianças que por conta das condições de vida não recebem os tão esperados. brinquedos. Na educação de forma geral, ainda vejo muitos professores se preocupando apenas com a fazer.." cumprir o dever de estar em sala e fazer alguma coisa legal que chame atenção dos colegas e de outros professores também. Mas infelizmente vejo pouquíssimos dispostos a discutir a repensar suas atitudes... Por isso o título do post. Penso que devemos ver o magistério como algo além de atividades e reconhecimentos...

Penso ser importantíssimo, por exemplo a luta por melhores condições de trabalho e salário. mas de que adianta receber estas condições se não nos colocarmos à disposição de pensar de uma forma crítica e produtiva para contribuir melhor com nossa educação?

Eita... Escrevi demais.
Desculpe.
Mas muito obrigada pela sua reflexão!
=)

Maria Alice Cerqueira disse...

Boa noite Vanessa
Vim lhe desejar uma linda semana, coberta de muita Paz!
abraço amigo!
Maria Alice

cris chabes disse...

Olá Vanessa.Nós professores que lidamos com as crianças todos os dias, sabemos o quanto é importante esse momento de parada dos pais para dar atenção aos filhos. Aprovadíssimo seu post. Beijocas Cris

Anne Lieri disse...

Oi Vanessa! Um texto excelente e precisamos refletir, deixar de lado burocracias e entraves fantasmas da sociedade,buscando pensar e sentir a criança e suas necessidades.Eu adorei! bjs,

Toninha Borges disse...

Nós que lidamos com as crianças todos sabemos muito bem que poucas tem a felicidade de dizer que é criança. Sou professora de colégio público e sei a carência que tem.
bju