16 de setembro de 2013

Mais professores!?

imagem daqui

Vejam o que saiu nos jornais:



"O Ministério da Educação (MEC) quer levar professores a escolas onde faltam docentes em ação semelhante ao Mais Médicos. O Mais Professores faz parte do Compromisso Nacional pelo Ensino Médio, apresentado no dia 21 de setembro pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, na Câmara dos Deputados. A criação do programa já havia sido comentada antes pelo ministro, mas é a primeira vez que é apresentado em detalhes.

Segundo Mercadante, o compromisso ainda está em fase de desenvolvimento e depende do Orçamento disponível. Entre as ações do programa, está a proposta de levar professores a escolas de municípios com índices de desenvolvimento humano baixos ou muito baixos e que tenham um baixo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) - índice calculado a partir do fluxo escolar e o desempenhos dos estudantes em avaliações nacionais.



A intenção é que, mediante o pagamento de uma bolsa, professores se disponham a reforçar o quadro dessas escolas. Para as escolas com baixo rendimento, a pasta quer atrair bons professores para melhorar o ambiente acadêmico. Caso não haja professores disponíveis na rede, o MEC cogita a participação de professores aposentados que queiram voltar às salas de aula."


E você professor, o que pensa sobre este assunto?

Leia mais Aqui /  aqui e aqui


**Post também publicado no blogue Educar para Transformar

3 comentários:

cris chabes disse...

Vanessa faz tempo que não comento aqui no Educação em Foco, e por isso quando li seu post fiquei com tantas coisas na garganta pra falar sobre esse assunto tão importante e ao mesmo tempo polêmico na opinião pública. Eu não acho que trazer professores de outros países que nem conhecem nossa realidade ajudaria a melhorar a qualidade da educação em nosso país. Os professores brasileiros estão cansados de promessas de melhoria de salário e tempo para aprimoramento profissional e valorização da carreira. Justamente por isso estão trocando de profissão. Saem frustrados por tudo o que lutaram e não foram reconhecidos. Aqueles que ficam assumem classes super lotadas o que impossibilita um trabalho adequado. Sem contar nas inúmeras situações extra-escola que temos que resolver. Criança abandonada dentro de casa (com pais morando junto), crianças emocionalmente afetadas por falta de amor, alimento, atenção, ....enfim. Os governantes acham que trazendo o apoio de fora vão melhorar a qualidade? Que pena. Um dia que cada um deles passasse na sala de aula veriam que o problema não é a falta do professor, mas sim uma questão social que vai além dos muros da escola.
Beijocas
Cris

Anônimo disse...

é louvável essa ideia para os aposentados do Brasil e não vindo de outro país

Toninha Borges disse...

Ainda vai dar o que falar e brigar.
bju