14 de junho de 2013

A percepção do outro através da Assembleia Escolar

Tive a oportunidade de participar da primeira Assembleia de Escola de 2013 no colégio onde leciono, que envolveu turmas do 6º ao 8º ano (o projeto está sendo ampliado ano a  ano). Fiquei somente como ouvinte, já que minhas turmas de 9º ano ainda não participam.

Foi muito interessante notar que os alunos reconhecem o trabalho dos professores e das funcionárias da limpeza, elogiam o quanto a escola é limpa e quanto os professores se dedicam ao seu trabalho. Ouvir isso, sem dúvida, é gratificante!

Muitos fizeram sugestões interessantes e colocações muito pertinentes também. Eram dois representantes de cada sala, totalizando quinze turmas (o colégio é grande e possui cinco turmas de cada, do 6º ao 8º ano). Achei que eles não iriam se entender e que falariam todos ao mesmo tempo, mas são organizados e deixam todos expressarem suas opiniões.

Na hora das críticas, a reclamação recorrente é quanto à organização da fila da cantina e o corre-corre na hora de descer para o intervalo. Eles mesmos apresentaram as propostas para resolver os problemas, mas apontaram qual o principal empecilho: a falta de colaboração dos colegas. Alguns ajudam, mas outros, como eles disseram "não estão nem aí".
Imagem do google
Percebo isso dentro da sala de aula: a geração deles é muito individualista, não sabe pensar no bem do grupo. E, conversando com uma turma um dia depois da Assembleia, eles concordaram comigo. Não existe o pensamento no bem estar coletivo, muitos não têm a consciência de que vivem em uma comunidade, uma sociedade, que nossos atos podem ajudar ou prejudicar muita gente. A questão da fila da cantina é, antes de tudo, de respeito ao próximo, eles sabem. Muitos não cumprem porque dizem "se todo mundo faz, eu também vou fazer".

Não estou culpando ninguém aqui, somente constatando um fato que, a meu ver, é mundial: a perda da solidariedade, o afastamento das pessoas, a individualidade levada ao extremo. E como isso acaba afetando o cotidiano de nossas crianças também...


Bom fim de semana!
Elaine



8 comentários:

Marly disse...

Parabéns! Nós, eu e a Ângela, lemos juntas e ficamos orgulhosas do seu texto.
É importante que as pessoas possam expressar suas impressões.
Obrigada pelo seu apoio.
Marly

Augusto Sperchi disse...

Oi Ane! Muito interessante este texto postado pela Elaine. As experiências democráticas são marcantes no processo de desenvolvimento das crianças e jovens. Quando eles participam diretamente da organização de um espaço, como a escola, passam a entender que fazem parte dessa organização, seus direitos e deveres, seus comportamentos e outros. São pessoas em construção e suas opiniões, às vezes disparatadas, também servem para reflexão, pois podem conter sugestões importantes, assim como elas, quando ouvidas, sentem que são importantes também. Pena que essas experiências se restringem a poucos espaços.
O pequeno texto é uma verdadeira tese e merece um aprofundamento maior devido a sua extensão.
Estão de parabéns pelo post. Tenha um belo final de semana!

Vanessa Gonçalves Vieira disse...

Muito interessante Elaine! Penso que os jovens de hoje são caixas de grandes surpresas. Mas concordo com você sobre esta individualidade. Ela tem tomado proporções gigantescas e temos perdido muito com isso!

Beijos pra ti!

Elaine Cristina Serrano Pirolo disse...

Obrigada, Marly! O apoio de todos é fundamental para o sucesso de nossos projetos, não é mesmo?

Elaine Cristina Serrano Pirolo disse...

Obrigada, Augusto! Com toda certeza virão mais textos sobre o assunto. Foi uma experiência muito interessante e que está em expansão no colégio onde trabalho. Tem muitas coisas ainda para serem colocadas, é uma experiência muito rica. Vamos ver como as propostas discutidas por eles serão colocadas em prática: esse é assunto para outro texto.

Elaine Cristina Serrano Pirolo disse...

Por isso estamos tentando criar esse espaço, Vanessa. É difícil essa percepção do outro, mas acreditamos que, com pequenas atitudes, as coisas vão mudando aos poucos.

Anne Lieri disse...

Oi Elaine!A participação das crianças nessas assembléias é fundamental para o exercício da cidadania.Aos poucos, todos irão aprendendo!Excelente seu relato!bjs,

Toninha Borges disse...

Olá Elaine, se eles soubessem a força que tem não perderiam uma Assembléia. É nessas horas que percebemos que faz falta, realmente amiga eles estão muito individualista, mas creio que é devido a tecnologia. Essa semana descobri que tem pais que convivem com os filhos na mesma casa, se veem, e, na hora de conversar falam-se pela Face ou celular. É uma pena, ambos estão perdendo o melhor da vida. E quando se deparam com uma debate ou assembléia seja pra qualquer fim, não conseguem se expressar e vai na opinião dos outros...
Bju