9 de abril de 2013

O uso da letra cursiva

Uma das postagens mais acessadas do blog, é a que falamos sobre o uso da letra cursiva na educação Infantil. Gostaria de deixar bem claro que não sou contra seu uso, apenas acho totalmente desnecessário ensiná-la para as crianças em fase de alfabetização.

Percebo uma cobrança dos pais e da sociedade em relação ao aprendizado da letra cursiva, mas o que vemos hoje em dia é que cada vez mais ela está sumindo das nossas vistas. Nos computadores não usamos letra cursiva, no celular então impossível encontrá-la, na mídia ela está totalmente abolida, então para quê ensinamos a letra cursiva?

Para satisfazer os pais e a sociedade, sim... quantos de nós, fomos treinados infinitamente, com centenas de exercícios para ter a letra redondinha e assim que se viu livre dessa cobrança (no fundamental II) mudou rapidamente a sua letra? E os médicos, que também passaram por treinos, mas fazem questão de deixar quase ilegível numa receita médica?

Muitos pais pediram orientações a respeito sobre o que fazer com seu filho na Educação Infantil que não consegue escrever com letra cursiva, minha resposta é simples e direta: Reveja a proposta pedagógica da escola! Normalmente as escolas tradicionais pouco se importam com o desenvolvimento infantil e limitam suas  atividades aos treinos e memorização.

As escolas precisam abrir seu leque de conteúdos para uma sociedade que já não é mais a mesma. Nossos alunos, precisam e merecem conteúdos interessantes. Fico chocada com a quantidade de atividades em caderno de caligrafia, 4, 5 páginas de pura cópia, treino mesmo. E depois ainda querem que a criança tenha prazer em estudar, que goste da escola?

Na Educação Infantil, as crianças ainda não têm a destreza motora para fazer uma letra redondinha, por isso iniciamos a alfabetização com a letra bastão, além de ter um traçado mais fácil, ela não confunde as crianças na hora da identificação da letra. Com a letra cursiva , a distinção entre a terminação de uma letra e o começo da seguinte é problemática. 

A caligrafia - palavra que tem origem no nome kallos (belo) e grafos (grafia) - surgiu como arte quando o imperador Carlos Magno (742-814) decidiu unificar os textos e documentos da Europa Central com a escrita cursiva, conhecida como 'letra carolina', mais rápida que a tipografada. Segundo os grafólogos, a cursiva é um sinônimo de elegância e uniformidade, mas também rigidez e padrão. Por ironia, ela está sendo gradativamente substituída pelo mesmo motivo que a originou - a necessidade de rapidez.


No Ensino Fundamental, após a criança já ter se alfabetizado o professor pode introduzir a escrita com letra cursiva. Trabalho com uma turma de 1º ano e alguns alunos já estão familiarizados com a letra cursiva, compreendem o que está escrito e escrevem com facilidade. Outros, ainda demonstram muita insegurança ao fazer os contornos e voltinhas que a letra cursiva tem. Quem ainda não consegue, não é obrigado a fazer uma letra redondinha. 

Dependendo da atividade, o objetivo é a escrita, o levantamento de hipóteses, e isso ele faz com a letra que lhe dê mais segurança. Saber ou não escrever com letra cursiva não é requisito para alfabetizar, nos vestibulares a letra cursiva não é cobrada, pede-se uma letra legível.  

Volto a lembrar que não sou a favor de abolirem o uso da letra cursiva, mas que pais e professores tenham consciência que ela não faz diferença no momento de alfabetização e que principalmente na Educação Infantil, seu uso deve ser repensado. Aproveite o tempo com brincadeiras, estimule a criatividade e a curiosidade infantil. Esqueça as atividades mecânicas, de cópia e pontilhado, valorize a infância!

Professora e Pedagoga Melissa Machado


5 comentários:

Claudia Santos disse...

Adorei o post. No início achei estranho não fazerem a tal calegrafia na escola da minha filha, afinal eu aprendi assim, mas concordo que a educação deve se adaptar a novos modelos de ensino, como gostar de algo repetitivo e cansativo, pura verdade.

Anne Lieri disse...

Texto excelente,Melissa!Parabéns!Massacrar a criança com paginas e páginas de caligrafia é mesmo uma judiação!Tb sou da educação infantil e prefiro aproveitar o tempo com coisas realmente significativas!bjs,

Vanessa Gonçalves Vieira disse...

Melissa nota 1000 para o post. Se continuarmos fechados no tempo nunca vamos avançar e fazer com nossa educação seja expanda e seja efetivamente saudável para nossos alunos. cursa ou não, o importante é que nossas crianças leiam e escrevam com destreza e prazer!!

Genis Borges disse...

Oi Melissa, excelente abordagem e como sempre, me deixa muito reflexiva quanto à educação de JM.
Olha, fiz muita caligrafia, todos fizeram por aqui e meu irmão e meu marido escrevem lindamente com letra de forma, foi sem dúvida a melhor opção para eles.
Bjus, Genis

Toninha Borges disse...

Sou uma professora a favor da caligrafia sim, tem pais que pedem para adotar e adoto. A letra fica linda eu mesma já fiz muito e meus filhos tb. Mas quero ressaltar que adoto é o caderno onde as crianças fazem suas atividades normais e diária da escola sem aquela atividade extra para fazer em casa de forma repetitiva e que na sua maioria fazem correndo sem a orientação de um adulto. O tempo é de cada criança.
Parabéns Melissa
Bjuss
Toninha