14 de abril de 2013

Criança de quatro anos na escola é lei


Criança de quatro anos na escola é lei
(Anne Lieri)




Criança de quatro anos na escola agora é lei, segundo o ministro da educação Aluísio Mercadante.

Até 2016 todas as crianças dessa idade deverão estar na escola.

Muito bonito no papel, mas até que ponto será bom?

Já existe na educação infantil o atendimento a essa faixa etária, mas aumentando a demanda, não deveria haver mais escolas?

É interessante ver como se governa esse país: de repente surge uma lei para ser cumprida e o povo (no caso, a escola) que se vire para fazer acontecer!

Enquanto não houver melhores condições de trabalho nas escolas, não haverá lei que funcione.

O número de crianças de seis anos é imenso e as salas de aula tem superlotação. Como atender aos menores sem prejudicar os mais velhos? Não há como diminuir a demanda!

Espaço físico bem planejado, material pedagógico adequado, merenda para todos, professores bem preparados e remunerados: isso é o mínimo para que uma educação de qualidade possa se estender a essas crianças.

Se isso não se tornar realidade, não vejo com bons olhos essa obrigatoriedade.


7 comentários:

✿ chica disse...

Anne, é mesmo complicado. Fácil criar leis( MAIS UMA) sem dar condições que ela seja cumprida a contento...

beijos,chica

Renata Diniz disse...

Anne. Sou um pouco rabugenta com esse assunto e achei absurda essa lei. Me parece mais voltada ao mercado de trabalho das mulheres do que a educação das crianças. Beijo!

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Anne, concordo com você. No tempo em que eu fazia faculdade de engenharia, dei aulas em cursinhos pré-vestibular e uma turma de terceiro colegial (na época). Ensinar é a coisa mais gostosa que existe, contudo a gente é obrigado a fazer os alunos entenderem que não temos respaldo para mantermos uma aula satisfatória. Falta até giz (muitas vezes fizemos "vaquinha"para comprar para a escola), material de limpeza, água potável,..., merenda, e outras coisas mais. Acabamos por não termos condições de exigir coisa melhor para o ensino.
De repente, aparece essa lei... quer dizer... Deus que me perdoe, mas acho que isso só pode ser propaganda política. Até 2016, muita água passou por debaixo do rio. Dá até para esquecer essa "mágica". Enfim, ..., adorei esse blog e já o estou seguindo.
bjs
Manoel

Vanessa Gonçalves Vieira disse...

Olá Anne,

Penso que seja importantíssimo a discussão sobre este assunto. Assim que fiquei sabendo da lei fiz menção lá em meu blog. Trabalho há algum tempo com a Educação Infantil e percebo que a cada ano que passa mais crianças chegam às escolas para cursarem este período. os motivos são diversos. Mas elas vem. Por este motivo sou a favor da Lei que regulamenta a Educação Infantil, Sei que objetivo do governo com essa Lei é o Aumento da verba para a Educação básica mas penso que este é um passo para que possamos cobrar os direitos das crianças e fazer com que muitas escolas, creches públicas e particulares parem de enxergar este segmento apenas como um passa tempo onde s crianças vão para brincar e serem cuidadas.

As crianças de Educação infantil precisam brincar sim, mas este brincar precisa ser direcionado pelos professores.

aqui em meu município aos poucos tenho visto o aumento das creches e das ampliação das escolas com turmas de Pré Escola. Penso que seja um movimento natural das coisas. mesmo, repito, sabendo que o governo esteja se utilizando deste fato para benefícios próprios.

Vanessa Gonçalves Vieira disse...

beijos pra ti! ;)

Pepi,Xixo,Juja,Jujuba disse...

Mais uma lei que não vai funcionar, Anne
Isto é Brasil!!!
Beijão para ti
Com carinho de
Verena e Bichinhos

Toninha Borges disse...

Papel aceita tudo mesmo.
A proposta está linda, mas sabemos que a nossa realidade é outra.
Do ponto de vista orçamentário, se não houver um regime de colaboração do governo federal com os municípios, será dificílimo para os prefeitos atenderem essa lei. O governo federal geralmente ajuda com a construção de escolas, mas inclusão não é só construir prédios e colocar as crianças dentro. A parte que realmente custa caro é investir na formação de professores e pagar o salário deles e de funcionários. A determinação de ingresso na escola aos 4 anos, vale lembrar, não é nova e já consta em emenda constitucional de 2009. O que houve foi uma atualizando da LDB , de 1996. O grande desafio, portanto, não é tornar o ensino infantil obrigatório - aprovar a lei é a parte mais fácil de todo o processo -, mas sim criar condições mínimas de oferecer educação de qualidade a essas crianças. A partir dos 4 anos, a criança já consegue aprender o nome das letras e a escrevê-las. É o momento de ouvir e contar histórias. Pode-se brincar, mas devem ser brincadeiras sempre direcionadas e com propósitos afins. A pré-escola é o ciclo responsável por desenvolver habilidades que serão fundamentais para o progresso escolar do aluno. Não se pode esquecer, no entanto, que crianças de 4 anos ainda não têm (e nem devem ter) total autonomia. Por isso, o recomendável, é uma professora para no máximo 15 alunos. E sabemos que a realidade é outra.
Bju
Toninha