17 de abril de 2013

Avaliação em Foco: Avaliação da Aprendizagem e os Resultados das Avaliações Externas

Li uma matéria muito interessante na revista Avaliação em Foco, cujo tema é “Avaliação da Aprendizagem e os Resultados das Avaliações Externas: Um diálogo necessário para a qualidade educacional” escrita por Valéria Siqueira.

Essa matéria veio de encontro como os estudos, que nós professores realizamos nas unidades escolares sobre os resultados das avaliações aplicadas pelo governo do estado de São Paulo, a PROVA BRASIL e o SARESP, nestes dias de planejamento.

imagem google
Toda avaliação, formal ou informal, é um instrumento de verificação do quanto o aluno já sabe, mas também reflete a qualidade do sistema de ensino. “A avaliação da aprendizagem, portanto, é essencial para o desenvolvimento do trabalho pedagógico, avaliando a aprendizagem dos alunos e construindo oportunidades de reflexão e análise da realidade dos fatos, bem como criando espaços e diretrizes para ações posteriores.”

A partir dos resultados obtidos na avaliação de larga escala realizada pelo governo, conseguimos observar o maior e menor números de acertos e erros obtidos em cada questão e com isso analisar e elaborar novas formas de explicar aquele conteúdo.
“A avaliação realizada em sala de aula ou avaliação da aprendizagem se baseia, sobretudo, na relação professor e aluno e tem caráter formativo, continuo, utilizando instrumentos variados.”
imagem do google
Conseguimos analisar nossa prática, nossa compreensão sobre o que “nós” já sabemos para ensinar nosso aluno. Importante aceitar que mesmo o professor, está em movimento, ou seja, está sempre aprendendo.  Por isso analisar o resultado das avaliações é tão importante.
Vale lembrar que a educação não trabalha para aplicar provas, mas tem como base para elaborar um plano de ensino o conteúdo que “também” está contido nessas avaliações e que são os mesmos apresentados pelo MEC.

“É necessário entender a funcionalidade da avaliação em larga escala, cujo objetivo não é avaliar a aprendizagem de cada aluno individualmente, tampouco substituir a avaliação formativa que deve ocorrer em todo trabalho docente. Na verdade, a avaliação em larga escala permite uma visão do sistema escolar como um todo e possibilita um diagnóstico sobre determinada mostra de alunos.”

O que falta tornar público é a abertura e análise de como os resultados são aferidos, visto que há sempre uma incógnita sobre o “valor” concedido a escola.  Como é composta a nota? É analisado e aferido na nota final o contexto social e econômico daquele grupo de alunos? É considerado o trabalho individual realizado com os alunos, que mesmo sem laudo, apresentam déficit na aprendizagem e por isso não conseguem realizar a avaliação, sozinhos?
imagem do google
“Enquanto seus resultados se prestarem ao julgamento de professores, alunos e instituições, suas possibilidades de uso para a melhora da qualidade de ensino serão muito limitadas e continuaremos a produzir resultados que embora intensos de informações não sejam consumidos pela comunidade escolar”

O nosso trabalho não se resume a aplicar avaliações ou trabalhar em função delas, mas em construir com o aluno uma reflexão sobre o conhecimento, mediando quando necessário esse saber, construindo a cada dia, se necessário, novas estratégias para ensinar.

Observação: os grifos são parte da matéria da revista, acesse e leia mais. 


Resenha - Cris Chabes
Fonte - Revista “ Avaliação em foco”


Assine já a Revista Avaliação em Foco.
Mais informações no site: http://avaliacaoemfoco.com.br/




3 comentários:

Vanuza B. da Silva disse...

Olá. Estive visitando o seu blog, gostei muito e me tornei seguidora.
Eu também tenho um blog, o “Super Promonauta”. Se puder me faça uma visitinha também, e se por acaso gostar e quiser me seguir, será uma honra.
Obrigado e parabéns pelo site!

http://super-promonauta.blogspot.com.br

Anne Lieri disse...

Cris, excelente sua resenha e ainda temos muito a caminhar com relação a avaliação em nosso país.bjs.

Toninha Borges disse...

Temos muito o que rever.
Amei sua resenha.
bju