28 de abril de 2013

A educação na estrada


A educação na estrada

(Anne Lieri)



Imagem  daqui.


Hoje comemoramos o dia da educação e nosso blog, não poderia deixar de comentar a respeito.

Somos professoras, brasileiras e adoramos nossa profissão.

A educação é nossa vida e acreditamos que ela é a base para um país desenvolvido.

Apesar dos índices de analfabetismo, evasão escolar e repetência terem diminuído nos últimos anos, estamos muito aquém de ser um país com a educação que desejamos.

Ainda há muitas crianças fora da escola, com deficiência na aprendizagem, dificuldades de acesso, de transporte, alimentação e algumas precisam trabalhar para ajudar os pais.

Sabemos que quanto maior a instrução, melhores chances no mercado de trabalho, mas nosso país ainda caminha a passos lentos e, se existem bons resultados em algumas regiões, muito devemos a iniciativas particulares de educadores e pessoas da comunidade.

Enquanto não houver a consciência de que a educação é um processo que começa em casa e, o governo não favorecer a independência das famílias para que aumente o acesso á escola, teremos pouco a festejar nesse dia.

Que ao invés de esmolas, vejamos nos próximos anos, atitudes eficazes para a erradicação da pobreza e do analfabetismo.

Ao contrário das estatísticas, não creio que o Brasil seja um país que saiu da miséria. Não é o que vejo em sala de aula.

Enquanto houver desvios de dinheiro público, é sinal que a educação ainda não ganhou esse jogo e há uma extensa estrada a caminhar.

6 comentários:

✿ chica disse...

Parabéns pelas palavras claras, simples e que mostram o verdadeiro caminho da nossa educação por aqui. Pena. Tomara tenhamos motivos pra festejar! beijos,chica

Renata Diniz disse...

Anne! Da nossa área, o livro que mais ilustra o que você bem disse é a obra de José Murilo de Carvalho: Cidadania no Brasil, um longo caminho. É preciso crer que vai melhorar. Beijo!

Ana Bailune disse...

Perfeitas reflexões, Anne. A educação começa em casa!

cris chabes disse...

Olá Anne,eu concordo com vc. Enquanto não houver respeito por nosso profissão, seja pelo poder público, privado, sociedade e até pelos profissionais da área, não teremos condições de trabalho digno e com salários condizentes com a nossa importância.
Trabalhamos com o material humano e não com números ou estatísticas.
Beijocas
Cris Chabes

Genis Borges disse...

E apesar de todas as dificuldades encontradas na nossa profissão, acredito na educação...
Belo texto amiga.
Bjus.

Toninha Borges disse...

Educação acima de tudo Anne.
Temos que fazer a nossa parte sem olhar a quem.
bju