15 de fevereiro de 2013

Como motivar estudantes em um mundo tecnológico

Em primeiro lugar, gostaria de dizer que é com grande alegria que inicio esse novo projeto. Não sem antes confessar a vocês que estava um pouco ansiosa sobre qual assunto escrever. Pensei em várias coisas mas nenhuma delas me deixava satisfeita. Até que um acontecimento em sala, na primeira semana de aula, me fez refletir sobre o assunto que apresento agora.

Nesse mundo ultra tecnológico em que vivemos, estar em sala de aula com pré-adolescentes loucos por games e internet torna-se um desafio, ainda mais para quem, como eu, leciona História, que muitos acreditam "não servir para nada". Passei muito tempo, no decorrer dos anos letivos, imaginando uma fórmula que pudesse alcançá-los. Claro que também faço uso da internet, de vídeos, Power Point e do meu blog para chamar atenção (e tenho alcançado bons resultados com isso), mas eu ainda estava procurando uma coisa mágica, que atingisse a todos (o que me deixava sempre frustrada).

Foi somente a partir do momento que percebi que não consigo 100% de "audiência" (porque existem alunos que não gostam de História) é que tudo começou a ficar mais claro para mim. Muitos estudantes ainda têm a ideia que História é matéria "decorativa" e não tem função alguma. Numa conversa em sala, na primeira semana de aula, percebi que alguns alunos gostam muito de futebol, assim como eu. Consegui, na hora, fazer uma associação entre o Campeonato Espanhol de Futebol e a existência de movimentos separatistas na Espanha e recebi de um aluno a seguinte devolutiva: "agora eu entendi como a História se relaciona com a minha vida".


Às vezes, perdemos tanto tempo pensando em alguma coisa que beira o impossível e nos esquecemos que essas crianças fanáticas por tecnologia não reparam em coisas tão mais simples, que podem ter um efeito tão duradouro. Tenham certeza que essa experiência, recente, mudou minha forma de pensar sobre várias coisas.

Abraços a todos!
Elaine

8 comentários:

Prô Cris Chabes disse...

Olá Elaine, seja bem vinda.
Eu já começo falando que não gostava tanto de história como gosto depois da face "escolar". Na minha época era muito decoreba. Tive um professor que pediu para leitura e reflexão "Raízes do Brasil" do Sérgio Buarque de Holanda. Na época eu não entendia nada. Guardei como um tesouro. Hoje já li novamente e tenho como livros de "ouro", 1808, Guia Politicamente Correto do Brasil, entre outros.
Quanto ao uso da tecnologia nas aulas, não há como escapar, principalmente por que nossos alunos já nasceram na era digital.
Adorei seu post
Beijocas
Cris Chabes

Genis Borges disse...

Oi Elaine, que bela estreia aqui no blog.
Parar para repensar nossa prática é muito importante e que bom que vc teve essa sensibilidade.
Olha, nunca fui 'boa' em história, mas confesso que os professores não ajudavam muito na minha época. Eu tinha que memorizar um questionário enorme para as provas e os professores retiravam umas 5 questões de lá. Super cruel!
Resultado: Não me lembro de nada que decorei!!
Seus alunos vão aprender, com certeza! E levarão esse conhecimento por toda a vida!
Bjus.

Vanessa Gonçalves Vieira disse...

Oi Elaine!!!

Gol de placa pra você! Sou apaixonada tanto pela tecnologia quanto pela história. Acho bacana deixemos nossas ideias fluir e comecemos a observar mais nossos alunos. Eles nos dão muitas dicas. e isso nos ajuda a ajudá-los!

Arrasou!!!
Beijocas!

Elaine Cristina Serrano Pirolo disse...

Cris, você guardou um tesouro mesmo! Eu tive um professor no Ensino Médio que usava o livro "História da Riqueza do Homem", do Leo Huberman, que era o meu tesouro. Usaei, inclusive, na faculdade, mas o perdi, infelizmente.
Eu acho o uso da tecnologia muito importante, e a escola onde trabalho nos proporciona excelentes condições, me considero privilegiada. Mas, acredite, alguns colegas me criticam pelo uso dessas novas ferramentas, dizem que eu fico "inventando coisas". Uma pena, não é?
Beijo!

Elaine Cristina Serrano Pirolo disse...

Eu também tive professores assim, Genis. E como muitos pais também tiveram, eles ensinam os filhos que História é decoreba e não serve pra nada. Aí a gente se vira pra mostrar que não é bem assim. E, modéstia à parte, acho que estou conseguindo...

Beijos!

Elaine Cristina Serrano Pirolo disse...

Com certeza, Vanessa! E a cada dia que passa eu procuro prestar mais atenção a essas dicas, elas são muito valiosas mesmo!

Beijos!

Toninha Ferreira disse...

Olha Elaine até uns tempos atrás detesta história. tive uma professora terrível e que deixou muitas marcas. Nem pensar reclamar com os meus pais a professora estava sempre com a razão até reguada levei pq não sabia o assunto ao pé da letra. Daí pra lá só revolta e rebeldia. Agora que sou professora tenho que passar para os alunos que tudo que eles aprendem é para seu benefício próprio. Só que na maioria dos concursos públicos não pedem história, somente português e matemática talvez por isso tenho mais afinidade com a matéria. Mas o que puço muito dos meus alunos é que eles detestam história, é complicada amiga trabalhar com essa geração com tantas opiniões contrárias. fiquei feliz de saber que vc está sendo umas das pioneiras para mudar é geração. realmente tem que um jogo de cintura.

Elaine Serrano disse...

Realmente é difícil, Toninha, mas vamos tentando... quem sabe um dia dá certo?