8 de março de 2012

Adaptação no berçário


Olá leitores da Educação em Foco!

Começo do ano deixa as mamães e papais com o coração apertado na hora de fazer a adaptação dos filhos, ainda mais se forem ainda bebês.
Me lembro que quando meu filho foi pra creche com 5 meses, eu chorava todos os dias... não por não confiar na escola ou nas educadoras, mas pela separação de nós dois...
Foram meses bem difíceis, mas com a ajuda do marido e dos amigos, fui vencendo um dia de cada vez.
Abaixo, deixo um artigo sobre o tema e meu conselho como mãe e educadora é que passem confiança pra criança e tenham a certeza de ter feito a melhor escolha sempre, assim a dor se torna menor.

Abraços, Genis

O período conhecido como de adaptação da criança ao berçário é de suma importância na sua vida e merece todo cuidado da direção e da equipe de uma escola.
Ficar bem no berçário, sem chorar (nem sofrer), envolve muitos fatores e, basicamente, os sentimentos de duas pessoas: mãe e filho.
O comportamento expresso pela criança durante esse período indica o estado emocional, resultado e resultante de uma série de sentimentos desenvolvidos desde os primeiros meses de vida até o seu ingresso no berçário, sendo o produto de sua relação com a mãe, e é, simultaneamente, influenciado a partir daí pelos sentimentos desta, relacionados ao significado que possa ter para ela a separação de seu filho, com a conseqüente entrega dele a terceiros(Escola / Berçário).
É importante que a mãe tenha confiança na Escola escolhida e conte com o apoio da Equipe multiprofissional que lhe dará condições psicológicas e emocionais necessárias para que a criança se sinta segura permanecendo assim, por um certo período do dia afastada de sua mãe. Sugere-se destinar dois ou três dias para a mãe participar dos cuidados de seu filho, enquanto observa como os outras crianças são tratadas pela equipe do berçário. A criança em poucos dias sentir-se-á segura aceitando o novo ambiente e as pessoas com quem terá convívio. Caso a criança, após este período, apresente a reação incontrolável, com ansiedade e pânico a estranhos é desaconselhável deixá-la à força, devendo-se então prolongar o período de adaptação, dando tempo à criança para que a mesma possa desenvolver a confiança necessária nos adultos e no novo ambiente (desconhecido), consolidando assim, a confiança necessária em sua mãe.
Para ter certeza de que o berçário escolhido é o melhor para seu filho, comece conhecendo as escolas de educação infantil perto da sua residência ou trabalho e verifique se possuem alvará de funcionamento cedido pela prefeitura e/ou por órgão de educação de sua cidade.
A segunda etapa é a verificação dos espaços físicos da Escola, salas arejadas com grades de proteção nas janelas, áreas externas para banho de sol, portão nas escadas, extintores de incêndio, locais isolados para acomodação de butijões de gás, tomadas de luz vedadas, corrimão, banheiros adaptados para crianças, banheiros para adultos, higiene da cozinha, banheiros,sala de refeições, beleza e limpeza dos ambientes, paredes decoradas, espaços lúdicos adequados para cada faixa etária, berços para bebês, colchonetes , flores e plantas naturais. Ultimamente, muitas casas antigas estão sendo adaptadas para escolas de educação infantil. Portanto, fique atenta e observe paredes, teto e pisos. Além da parte física, deve-se observar a equipe de funcionários, apresentação, formação, e procurar marcar uma entrevista com a diretora ou coordenadora para que sejam passados a filosofia da escola, objetivos, organização, horários de funcionamento, etc.
A etapa de escolha da escola sendo superada, é chegada a hora da adaptação. A mãe tendo confiança no berçário, sentirá segurança na separação e esse sentimento será transmitido à criança, porém o período de adaptação varia de criança para criança, e deve ser avaliado individualmente.

3 comentários:

Andréia Sales disse...

Eu sofro só de pensar que em agosto está chegando a hora do Samuel.
Confesso que não sei o que esperar e temo muito esse momento.
O texto é ótimo e tenho certeza que ajudou muitas mamães como eu.
bjks

Prô Cris Chabes disse...

Olá Genis, passei por isso quando o Rafael era pequeno, ele chorava dentro da escola e eu na porta
Foi um período difícl de adaptação "nossa",
Achei muito importante postar essas informações para as mamãe e para os professores que vão recebê-los
Beijocas
Cris Chabes

Vanessa Vieira disse...

E assim as crianças vão crescendo com segurança. Muito interessante a repostagem Genis. São dicas muito legais. Que maravilha ter os pais na escola vendo como é desenvolvido o trabalho com seus filhos. Gostei muito. Beijos!