30 de agosto de 2011

Projeto Brinquedo e Brincadeiras

Durante o meses de setembro e outubro irei desenvolver com minha turma o Projeto Brinquedo e Brincadeiras.
Todas as etapas deste projeto ficarão disponíveis neste blog as terças feiras. Acompanhem e se quiserem participem com sugestões.
Beijocas
Cris Chabes


Projeto Brinquedo e Brincadeiras
Quadro de Ivan Cruz - imagem do Google
Justificativa e Objetivo Geral: 


Hoje as crianças costumam passar muito tempo brincando com o vídeo-game, computador  ou com brinquedos eletrônicos e quase não podem mais brincar na companhia dos amigos da vizinhança como seus pais faziam. Assim esse projeto busca o resgate das brincadeiras antigas com o objetivo de reviver, elaborar e realizar jogos promovendo a socialização e a interação entre as crianças, suas famílias e a comunidade local, incentivando a cooperação, o respeito e a valorização da cultura preservada na memória através dos tempos.


Estratégias:

  1. Realizar uma conversa prévia sobre quais brincadeiras as crianças costumam brincar
  2. Observar e refletir as pinturas de Ivan Cruz, sobre brincadeiras infantis
  3. Pesquisar com seus familiares quais eles mais gostavam
  4. Promover uma manhã de "brincadeiras" onde cada familiar que puder comparecer vai contar como era  sua infância e quais as brincadeiras ele e seus amigos mais gostavam 
  5. Relembrar e registrar as brincadeiras para formar um manual
  6. Confecção de um brinquedo com material reciclado
  7. Realizar uma exposição para a escola promovendo oficinas das brincadeiras antigas e atuais
Esta semana realizaremos a primeira e segunda estratégia. Conhecer quais as brincadeiras preferidas da turma e conhecer o pintor brasileiro Ivan Cruz que tanto retratou as brincadeiras de sua época em suas obras.

Ivan Cruz - imagens do Google
O artista Plástico Ivan Cruz nasceu em 1947 nos subúrbios do Rio de Janeiro, e brincava pelas ruas de seu bairro como toda criança... Leia mais em http://www.brincadeirasdecrianca.com.br/


A maioria de seus quadros retratam brincadeiras infantis.
Aguardem mais etapas!!




Desenvolvimento da linguagem

É importante começar explicando que existe uma diferença entre fala e linguagem. A fala se refere basicamente à forma de articular sons nas palavras. A linguagem significa expressar e receber informações de modo significativo. É compreender e ser compreendido através da comunicação. 
Uma criança com problemas de linguagem pode conseguir pronunciar bem as palavras, mas ser incapaz de colocar mais de duas palavras juntas. Inversamente, a fala de uma outra criança pode ser difícil de ser compreendida, mas ela usa palavras e frases para expressar suas idéias. Problemas com fala e linguagem diferem, mas ás vezes coincidem.
Com mais ou menos dois anos de idade, a maioria das crianças já tem vocabulário que lhes permite expressar-se verbalmente com facilidade. Algumas já utilizam frases simples e conseguem relatar fatos. Contudo, além das diferenças individuais, que devem ser respeitadas, precisamos estar atentos a fatores que, quando alterados, podem interferir no desenvolvimento normal da linguagem. Estes podem ser:

Problemas com o Sistema Nervoso Central (SNC): Crianças com problemas no nascimento (anóxia neonatal) devem ter seu desenvolvimento de linguagem observado mais atentamente. Além disso, atrasos significativos no desenvolvimento motor junto com atraso na aquisição de linguagem, podem ser indicativos de alterações no SNC.

Deficiências mentais: Estas crianças geralmente apresentam atrasos globais, o que atrasa sua exploração e interação com o mundo, causando atrasos ou distúrbios na aquisição de linguagem.

Deficiências Auditivas: Geram atrasos e distúrbios no desenvolvimento da linguagem e da fala.

Alterações nos órgãos da fala (lábios, língua, palato, bochechas): Crianças com a língua e bochechas muito "molinhas" (hipotônicas), ou com fissuras lábio-palatais podem apresentar alterações de linguagem e articulatórias.

Fatores emocionais: Vínculos afetivos pobres, abandono, rejeição e maus tratos, podem contribuir para atrasos no desenvolvimento da linguagem. Ao contrário, boas relações afetivo-emocionais entre mãe/criança, propiciam evolução da linguagem muito satisfatória.

Influência social: Crianças que vivem em ambientes tensos ou com pessoas que a super-protejem e fazem tudo por ela tendem a ser mais imaturas que as outras de sua idade, e a se comportar como "bebês" por mais tempo, atrasando o desenvolvimento de linguagem, da aprendizagem e, muitas vezes, o desenvolvimento global da criança.

Muitos pais ou professores têm dúvidas de qual é o momento, ou a idade certa, para procurar atendimento fonoaudiológico. O importante é não esperar para avaliar, uma vez que a detecção precoce de qualquer dificuldade facilita muito a reabilitação. Crianças com a idade de 12 a 18 meses já devem ser avaliadas quando se suspeita de atraso nas habilidades de comunicação. Os pais devem também procurar ajuda se seu filho de qualquer idade não responde a sons

Crianças com boas habilidades comunicativas geralmente são mais seguras e felizes!




..............................................................................................................
Quer participar do  blog Educação em Foco?
Nos envie uma postagem!
Todas as terças feiras é dia do colaborador.
Coloque seu conhecimento na Rede!
Divulgue seu trabalho!



28 de agosto de 2011

Escola Aberta-Dia da família na escola

Sábado na escola na qual trabalho tivemos um dia muito especial...convidamos as famílias a passarem uma manhã divertida!Várias oficinas nas quais as crianças participavam com seus pais, avós, primos e quem mais quisesse! Foi um sucesso,vários pais agradeceram a oportunidade de passar alguns momentos no mesmo ambiente em que deixam seus filhos...puderam participar de oficinas de pintura, confecção de brinquedos de sucata(vai-e-vem e bilboquê), culinária, informática e desenho.Assistiram as apresentações de capoeira e ballet, além de partilharem um delicioso café da manhã.

A participação da família na vida escolar do seu filho é muito importante e aproveitar momentos como esse é essencial! Eu nunca perdi uma festinha desde que a filhota entrou na escola e tenho fotos de todos esses momentos...

A escola precisa ter a família como parceira. Estamos juntos trabalhando para o bem estar da criança!
Além das oficinas, as crianças mostraram seus trabalhinhos artísticos feitos durante o projeto de Artes.
Como já falei no post passado, minha turma estudou Romero Britto e o resultado eu não poderia deixar de mostrar aqui...fiquei muito orgulhosa dos meus pequenos artistas!

Desenho inspirado no quadro "Fundo do mar"

Réplicas da obra "Cat" e "Dog"

"Apple" feita no papelão

Peixinho deito com balão e coberto com jornal

Reprodução do fundo do mar com massa corrida em pratinho de isopor

borboletas de sucata

painel da turma

Reprodução do quadro "The hug" com a foto das crianças

Painel de entrada com a reprodução da história "Um amor de família" de Ziraldo feita pelo Pré I

E na sua escola?
Como recebem os alunos e suas famílias?
Participe sempre da vida escolar dos seus filhos!


Diálogo com professores II

Olá queridos, 

Esta semanas falaremos sobre perguntas... O que será que temos feitos com as nossas perguntas e com as perguntas de nossos alunos? Será que temos permitido que elas sejam feitas? Ou será que estamos deixando-as guardadas dentro de nossos segredos?
Como disse, o vídeo desta semana falará sobre as experiências em sala de aula do professor Jostein Gaarder. E é exatamente baseado nas perguntas que eram realizadas por ele e por seus alunos que ele nos conta sua experiência. 
Sim, ele é professor de filosofia... E você não é?? Pense nisso enquanto estiver assistindo ao vídeo abaixo!



Boa semana!

26 de agosto de 2011

Orientações para o trabalho com o disléxico em sala de aula

Retornamos o trabalho após as férias escolares no mês de julho e uma colega professora recebeu um novo aluno com diagnóstico de Dislexia. Como nem sempre estamos preparados para lidar com todas as dificuldades apresentadas por nossos alunos, formamos um grupo de estudos para melhor compreender esse distúrbio e aprender como lidar com a aprendizagem em sala de aula. 
Pesquisando em um site encontrei algumas orientações interessantes que muitas vezes já utilizamos em sala.


Sabemos hoje que os distúrbios de leitura e escrita, dentre eles a dislexia, são fatores de maior incidência em sala de aula, portanto devem ser objeto de estudo e de compreensão por parte de todos os envolvidos. A escola, na figura do professor, necessita da um novo significado na busca de novos caminhos para o processo de ensino-aprendizagem dos alunos que manifestam essas dificuldades. É possível preparar o professor para identificar aquele aluno que demonstre dificuldades em adquirir a leitura e a escrita desde os primeiros anos do ensino fundamental e encaminhá-lo à avaliação aplicada por equipe especializada.Alguns aspectos facilitadores poderão ser introduzidos pelo professor como norte no processo acadêmico e como ferramentas de auxílio aos alunos disléxicos, a saber:

  • Perceber e estimular as habilidades de seus alunos, como forma de dar-lhe segurança, melhor autoestima e mecanismos compensatórios, respeitar suas ineficiências procurando auxiliá-lo de forma calma e segura, para que os alunos sintam-se confortáveis em solicitar ajuda ou tirar dúvidas
  • Explorar seu mundo imaginário e suas habilidades práticas e criativas
  • Permitir a gravação de aulas expositivas, visto que o disléxico apresenta dificuldades para anotar e prestar atenção ao mesmo tempo
  • Dar tempo adequado dependendo do trabalho a ser realizado, o disléxico despenderá maior tempo quando o solicitado requerer leitura e escrita de textos ou livros
  • Fazer provas orais e fornecer mais tempo para as provas que exijam leitura e escrita

Espero que tenha ajudado. Em outro momento colocarei informações de como está a evolução do aluno.
Beijocas
Cris Chabes

24 de agosto de 2011

Se você acha que aprender inglês é difícil leia este artigo e descubra como aprender 400 palavras num minuto

O texto abaixo foi extraído de um email que circula na Internet e tem algumas informações interessantes. Confira! Como aprender a escrever 400 palavras em Inglês em apenas um minuto. Se você pensa que estou brincando, experimente ler toda esta matéria e depois me conte. Comece logo a estudar Inglês que, diferentemente do que você pensa, é extremamente fácil de aprender. Bastando apenas a seguir regrinhas elementares.
Mas, antes de tudo, quero explicar que as Regras abaixo apresentam uma ou mais exceção, o que demonstra duas coisas: primeiro que tais exceções só servem precisamente para confirmar as Regras e, segundo que é bem preferível, errar numa ou noutra ocasião e aprender 400 palavras em inglês num minuto, do que ficar preocupado com a rara exceção… e não aprender nada.

Regra 1
Esta regra não funciona para palavras como: verdade, idade, felicidade. Antes de enviar um comentário, lembre-se que, conforme foi citado no início do post, existem milhares de exceções para as regras aqui publicadas.
Para todas as palavras em português que terminem em DADE (como a palavra cidade) retire o DADE e coloque em seu lugar TY e assim CIDADE passou a ser CITY.

Vejamos agora um pouco das cento e tantas palavras que você já aprendeu nestes primeiros vinte segundos de leitura deste artigo:
CIDADE = CITY
VELOCIDADE = VELOCITY
SIMPLICIDADE = SIMPLICITY
NATURALIDADE = NATURALITY
CAPACIDADE = CAPACITY


Regra 2
Mais algumas exceções, esta regra não funciona para palavras como: coração, refeição, ação e por aí vai.
Para todas as palavras em português que terminem em “ÇÃO” (como a palavra NA-ÇÃO) tire fora o “ÇÃO” e coloque em seu lugar “TION” e assim a palavra NAÇÃO passou a ser NATION (as respectivas pronúncias não importam no momento, e além disso você estaria sendo muito malcriado querendo exigir demais numa aula de graça!).


Vejamos agora algumas das centenas de palavras em que a imensa maioria delas se aplica a essa
SIMPLIFICAÇÃO = SIMPLIFICATION
NAÇÃO = NATION
OBSERVAÇÃO = OBSERVATION
NATURALIZAÇÃO = NATURALIZATION
SENSAÇÃO = SENSATION


Regra 3
Exceções: demente, futuramente entre outras.
Para os advérbios terminados em “MENTE” (como a palavra NATURALMENTE), tire o “MENTE” e em seu lugar coloque “LLY” (e assim a palavra passou a ser NATURALLY. Quando o radical em português termina em “L”, como na palavra TOTALMENTE, acrescente apenas “LY”).


Veja agora abaixo algumas delas:
NATURALMENTE = NATURALLY
GENETICAMENTE = GENETICALLY
ORALMENTE = ORALLY

Regra 4
Para as palavras terminadas em “ÊNCIA” (como no caso de ESSÊNCIA), tire o “ÊNCIA” e em seu lugar coloque “ENCE”.


Eis algumas delas abaixo:
ESSÊNCIA = ESSENCE
REVERÊNCIA = REVERENCE
FREQÜÊNCIA = FREQUENCE
ELOQÜÊNCIA = ELOQUENCE


Regra 5
E para terminar esse artigo, ficando ainda com mais água na boca, aprenda a última e a mais fácil delas (há um monte de outras regrinhas interessantes, mas não disponho aqui de espaço para tudo). Para as palavras terminadas em “AL” (como na palavra GENERAL) não mude nada, escreva exatamente como está em português e ela sai a mesma coisa em inglês.


Veja alguns exemplos:
NATURAL = NATURAL
TOTAL = TOTAL
GENERAL = GENERAL
FATAL = FATAL
SENSUAL = SENSUAL


Conforme você acaba de ver, a menos que seja um leitor preguiçoso e lento, não foi preciso gastar mais de um minuto para aprender 400 palavras em inglês. Façam o favor de dar crédito a quem lhes revelou a dica, tá? Mas não espalhem, senão o mundo vai aprender o idioma em 30 dias.

Autor da dica: Mario Giudicelli, jornalista.
Fonte: http://www.englishexperts.com.br


Professora Genis

22 de agosto de 2011

Do Brasil para o mundo:Romero Britto

Com o objetivo de estimular a Arte e a criatividade dos nossos alunos, no segundo semestre iniciamos um trabalho de observação das obras de Romero Britto com a turma do pré 
Pernambucano de Recife, Romero Britto começou sua história com a arte ainda quando era criança. Com muita imaginação, aos oito anos já demonstrava sua aptidão para pintura, criando lindas obras sobre papelão, jornal e sucata. Também começamos nossos trabalhos explorando diversos materiais:caixas,caixas de ovos,garrafas plásticas.
Seguindo um estilo próprio e adotando um traço quase infantil, o artista Romero Britto produz pinturas com figuras e formas geométricas, demonstrando uma incrível habilidade no equilíbrio das cores vibrantes, o que chamou a tenção dos alunos do pré II, todos puderam observar as cores e as formas mostradas em suas obras.

Apresentei algumas obras do artista estudado e fizemos releituras utilizando várias técnicas.
Com a obra “Butterfly” fizemos colagem com papel picado e pintura no rolinho.

Conhecemos o quadro “The frog” e tentamos reproduzi-lo. Mostrei as crianças que primeiro era melhor desenharmos e depois pintaríamos aos poucos. O resultado foi incrível! Vários detalhes observados...

Mostrei as cores primárias e falamos da mistura de cores. Cada dia fazíamos uma mistura para descobrirmos qual cor daria! "Azul com amarelo dá verde.Vermelho com amarelo dá laranja.Vermelho com azul dá roxo."


"Para mim, a Arte reflete a celebração das coisas simples e gostosas da vida"
(Romero Brito)
Com a obra “The hug” falamos sobre amizade e a importância de ser carinhoso e ter amigos!
Outra obra observada foi a "Apple", as crianças desenharam e depois em grupo confeccionamos uma maçã com jornal picado colorindo de acordo.


Falando sobre família,conhecemos a obra “A família Atlântida”, observamos o quadro, discutimos se o animal de estimação que aparece na obra faz parte da família e todos disseram que sim!Também reproduzimos essa obra utilizando canetinha!


Já que falamos de animais de estimação,conversamos sobre quais são e como devem viver esses animais que fazem parte da família e apresentei as obras “Cat” e “Dog”.


Até as bandeirinhas da nossa Festa Junina foram inspiradas nas obras de Romero Britto:



O trabalho com as obras de Romero Britto enriqueceram muito nossas aulas!
Ainda não acabamos...no próximo sábado será a nossa exposição, depois passo aqui e mostro como ficaram lindos nossos trabalhos!

Professora Melissa

21 de agosto de 2011

Diálogos com professores I

Bom dia!

a partir de hoje gostaria de compartilhar com vocês, uma palestra que conheci através do site Fronteiras do pensamento. Um site interessante que surgiu com um projeto cultural múltiplo organizado a partir da proposta de um seminário internacional feito através de vídeos conferências. Nestes seminários, vários debates sobre temas da atualidade são propostos e entre os conferencistas chamados estão cientistas, artistas e grandes intelectuais da atualidade que se destacam pela ousadia do pensar a contemporaneidade.
O vídeo que compartilho com vocês hoje, está sob a responsabilidade do Escritor Jostein Gaarder, que se tornou conhecido ao publicar "O mundo de Sofia", obra já traduzida para mais de 50 idiomas e com mais de 30 milhões de cópias vendidas pelo mundo.
Durante sua conferência o autor nos leva a pensar sobre três aspectos, o primeiro é a sua vida, onde nos conta um pouco de sua jornada filosófica, em seguida podemos conhecer sua atuação como professor e suas experiências em sala de aula e por último somos levados a refletir sobre os direitos humanos e sobre a, urgente, necessidade de criarmos uma lei que nos diga, também, quais são as nossas responsabilidades sobre o mundo que vivemos.
Todos os aspectos são tratados com uma linguagem bem simples e nos levam a reflexões bem interessantes sobre a educação que queremos e que fazemos.
Bem, para não ficar muito cansativo, iremos pensar essa semana no primeiro aspecto que mencionamos, a jornada filosófica do autor. 


E ai gostou? Vamos refletir sobre o que vimos então?

O autor nos fala que com 11 anos de idade, se prometeu que não seria um adulto. Ele queria continuar achando incrível a possibilidade de existência que um belo dia havia descorberto. 
E ai eu pergunto, como será que nós professores estamos lidando com essa consciência de existência que, um dia, chega para os nossos alunos? Estamos aproveitando-a para incentivar os questionamentos e as possíveis criações que possam surgir ou estamos desprezando-a pois também acreditamos que existir é simplesmente algo natural e ponto.
Pense nisso e não deixe de compartilhar conosco suas reflexões.

Até semana que vem
Ass.: Vanessa Vieira





19 de agosto de 2011

Papel do Professor frente as novas tecnologias

A professora Genislene, colocou um texto muito interessante sobre o uso da lousa digital neste blog, pensando nisso pensei em falar sobre o papel do professor frente as novas tecnologias, e eu não estou falando apenas sobre o uso do computador e a internet, leia e compartilhe com outros educadores, assim juntos faremos uma educação de qualidade.
Abraços
Cris Chabes
Não queremos a nossa aula assim, certo!!!
Imagem do Google 


Papel do professor 

Quantas coisas você está fazendo neste exato momento?
Se está apenas lendo essa reportagem talvez você tenha mais de 30 anos.


As gerações mais jovens, que nasceram ou cresceram na era digital, já são mais adaptadas à característica mais predominante da sociedade atual: ser multitarefa. As novas tecnologias, principalmente o celular, o computador e a internet, transformaram o mundo, a forma como as pessoas se relacionam, e, para alguns pesquisadores, estão modificando também o cérebro, além de mudarem definitivamente o processo de aprendizado. Entretanto, a escola continua na idade da pedra, ensinando as chamadas gerações Y e Z como fazia com nossos avós. 
Se o processo de mudança é lento, os professores podem ajudar entendo o aluno da era digital? Como tornar a escola interessante? O que pode existir dentro da sala de aula que não esteja na internet? 
O professor ainda tem uma arma em mãos mais eficiente que qualquer web que possa surgir: o conhecimento. Mas não adianta querer simplesmente transmitir este conteúdo - se você é um professor orgulhoso do seu conhecimento e da sua experiência, ávido por falar por horas, no século XXI você está obsoleto. A função do educador no mundo digital é ajudar o aluno a construir conhecimento. Neste contexto, a professora e pesquisadora do programa de pós-graduação em Educação e do curso de graduação em Pedagogia da Unisinos, Eliane Schlemmer, afirma que “cada vez mais o professor vai ser fundamental, mas não o professor passador de conteúdo, o professor que problematiza, que instiga, que ajuda o aluno a construir seu conhecimento na interação com os demais e também com várias fontes de informação”. 
A internet traz um grande volume de informações e os alunos conhecem os meios para buscá-las, mas não como organizá-las, filtrá-las, identificar sua relevância, o que pode ser usado e em qual contexto. É por esse motivo que o professor sempre será indispensável. 
Conectar-se às novas tecnologias é essencial para o docente compreender melhor o universo do seu interlocutor, porém não basta. “Não é a nova tecnologia que ensina. É o professor. A tecnologia é um dos meios de ensinar e traz sem dúvida, novas possibilidades para a docência. No momento há muita confusão entre tecnologia e conhecimento”, alerta a pesquisadora Elvira Lima. A criança e o jovem da era digital estão acostumados a serem participativos, a exercerem como na web 2.0 o papel de co-criadores de conteúdo, além de também aprenderem ensinando aos colegas nas redes sociais. Tudo isso tem que ser levado em conta pelo educador que quer evoluir com seu tempo. 
O professor José Carlos Rodrigues também sugere trazer mais do mundo da internet para a sala de aula, pois acredita que refletindo a realidade dos alunos a escola será mais eficaz em sua missão de ensiná-los a pensar. 
Relacionar as conversas vigentes no mundo digital com o conteúdo é o caminho ideal para obter a atenção dos alunos e, mais do que isto, é relacionar o conteúdo ‘da matéria’ com algo que é absorvido por eles de uma forma espontânea”. 

Texto publicado originalmente na edição de Julho de 2010 da revista Profissão Mestre Leia a integra aqui

18 de agosto de 2011

Técnicas de Leitura


As técnicas de leitura, como o próprio nome diz, vão nos ajudar a ler um texto. Existem técnicas variadas, mas veremos as mais utilizadas. Ao ler um texto em Inglês, lembre-se de usar as técnicas aprendidas, elas vão ajudá-lo. O uso da gramática vai ajudar também.
As principais técnicas são: a identificação de cognatos, de palavras repetidas e de pistas tipográficas. Ao lermos um texto vamos, ainda, apurar a idéia geral do texto (general comprehension) e utilizar duas outras técnicas bastante úteis: skimming e scanning.
  
a)     Cognatos

Os cognatos são palavras muito parecidas com as palavras do Português. São as chamadas palavras transparentes. Existem também os falsos cognatos, que são palavras que achamos que é tal coisa, mas não é; os falsos cognatos são em menor número.
Como cognatos podemos citar: school (escola), telephone (telefone), car (carro), question (questão, pergunta), activity (atividade), training (treinamento)... Você mesmo poderá criar sua própria lista de cognatos!
  
b)     Palavras repetidas

As palavras repetidas em um texto possuem um valor muito importante. Um autor não repete as palavras em vão. Se elas são repetidas, é porque são importantes dentro do texto. Muitas vezes para não repetir o mesmo termo, o autor utiliza sinônimos das mesmas palavras para não tornar o texto cansativo.
  
c)     Pistas tipográficas

As pistas tipográficas são elementos visuais que nos auxiliam na compreensão do texto. Atenção com datas, números, tabelas, gráficos, figuras... São informações também contidas no texto. Os recursos de escrita também são pistas tipográficas. Por exemplo:

·        ... (três pontos) indicam a continuação de uma idéia que não está ali exposta;
·        negrito dá destaque a algum termo ou palavra;
·        itálico também destaca um termo, menos importante que o negrito;
·        ‘’ ‘’ (aspas) salientam a importância de alguma palavra;
·        (   ) (parênteses) introduzem uma idéia complementar ao texto.
  
d)     General Comprehension

A idéia geral de um texto é obtida com o emprego das técnicas anteriores. Selecionando-se criteriosamente algumas palavras, termos e expressões no texto, poderemos chegar à idéia geral do texto.
Por exemplo, vamos ler o trecho abaixo e tentar obter a “general comprehension” deste parágrafo:
  
            Distance education takes place when a teacher and students are separated by physical distance, and technology (i.e., voice, video and data), often in concert with face-to-face communication, is used to bridge the instructional gap.”
 From: Engineering Outreach
College of EngineeringUniversity of Idaho

A partir das palavras cognatas do texto (em negrito) podemos ter uma idéia geral do que se trata; vamos enumerar as palavras conhecidas (pelo menos as que são semelhantes ao Português):

·        distance education = educação a distância
·        students = estudantes, alunos
·        separeted = separado
·        physical distance = distância física
·        technology = tecnologia
·        voice, video, data = voz, vídeo e dados (atenção: “data” não é data)
·        face-to-face communication = comunicação face-a-face
·        used = usado (a)
·        instructional = instrucional

Então você poderia dizer que o texto trata sobre educação a distância; que esta ocorre quando os alunos estão separados fisicamente do professor; a tecnologia (voz, vídeo, dados) pode ser usada de forma instrucional.
Você poderia ter esta conclusão sobre o texto mesmo sem ter muito conhecimento de Inglês. É claro que à medida que você for aprendendo, a sua percepção sobre o texto também aumentará. Há muitas informações que não são tão óbvias assim.

           e)     Skimming

“Skim” em inglês é deslizar à superfície, desnatar (daí skimmed milk = leite desnatado), passar os olhos por. A técnica de “skimming” nos leva a ler um texto superficialmente. Utilizar esta técnica significa que não precisamos ler cada sentença, mas sim passarmos os olhos por sobre o texto, lendo algumas frases aqui e ali, procurando reconhecer certas palavras e expressões que sirvam como ‘dicas’ na obtenção de informações sobre o texto. Às vezes não é necessário ler o texto em detalhes.
Para usar esta técnica, precisamos nos valer dos nossos conhecimentos de Inglês também.

Observe este trecho:
  
            “Using this integrated approach, the educator’s task is to carefully select among the technological options. The goal is to build a mix of instructional media, meeting the needs of the learner in a manner that is instructionally effective and economically prudent.”
 From: Engineering Outreach
College of EngineeringUniversity of Idaho

Selecionando algumas expressões teremos:

·   integrated approach = abordagem (approach = abordagem, enfoque) integrada
·        educator’s task = tarefa (task = tarefa) do educador – ‘s  significa posse = do
·        tecnological options = opções tecnológicas (tecnological é adjetivo)
·        goal = objetivo
·        a of mix instrucional media = uma mistura de mídia instrucional.

 Com a técnica do “skimming” podemos dizer que este trecho afirma que a tarefa do educador é selecionar as opções tecnológicas; o objetivo é ter uma mistura de mídias instrucionais de uma maneira instrucionalmente efetiva e economicamente prudente. 
  
f)       Scanning

“Scan” em Inglês quer dizer examinar, sondar, explorar. O que faz um scanner? Uma varredura, não é?! Logo, com a técnica de “scanning” você irá fazer uma varredura do texto, procurando detalhes e idéias objetivas. Aqui é importante que você utilize os conhecimentos de Inglês”.

Olhe este trecho:

“Teaching and learning at a distance is demanding. However, learning will be more meaningful and “deeper” for distant students, if students and their instructor share responsibility for developing learning goals: actively interacting with class members; promoting reflection on experience; relating new information to examples that make sense to learners. This is the challenge and the opportunity provided by distance education.”

Poderíamos perguntar qual o referente do pronome “their” em negrito no trecho?
Utilizando a técnica de scanning, seria necessário retornar ao texto e entender a sentença na qual o pronome está sendo empregado. “Their” é um pronome possessivo (e como tal, sempre vem acompanhado de um substantivo) da terceira pessoa do plural (o seu referente é um substantivo no plural). A tradução de “their instructor” seria seu instrutor. Seu de quem? Lendo um pouco para trás, vemos que há “students”; logo concluímos que “their” refere-se a “students, ou seja, instrutor dos alunos”.



Você também me encontra aqui!!
Twitter: @genislene