28 de outubro de 2011

Série Grandes Pensadores da Educação: Maria Montessori

Finalizando a série grandes pensadores apresento essa fascinante pesquisadora e educadora que acreditava no potencial de criação e de transformação que as crianças possuem. Ela que começou seus trabalhos com crianças com necessidades especiais de aprendizagem desenvolvendo materiais que pudessem contribuir com o avanço na aprendizagem. Esses materiais são utilizados até hoje em salas de aula pelos professores e continuam ajudando muitas crianças a aprender.
Espero que tenham gostado desta série de estudos. 
Retornarei em outra ocasião apresentando estudiosos atuais que basearam suas pesquisas nos grandes pesquisadores da educação mundial.
Abraços
Cris Chabes

Imagens do Educar para Crescer


Frase de Maria Montessori:

"A tarefa do professor é preparar motivações para atividades culturais, num ambiente previamente organizado, e depois se abster de interferir" Maria Montessori nasceu em 1870, em Chiaravalle, no norte da Itália, filha única de um casal de classe média. Desde pequena se interessou pelas ciências e decidiu enfrentar a resistência do pai e de todos à sua volta para estudar medicina na Universidade de Roma. Direcionou a carreira para a psiquiatria e logo se interessou por crianças com retardo mental, o que mudaria sua vida e a história da educação. Ela percebeu que aqueles meninos e meninas proscritos da sociedade por serem considerados ineducáveis respondiam com rapidez e entusiasmo aos estímulos para realizar trabalhos domésticos, exercitando as habilidades motoras e experimentando autonomia. Em pouco tempo, a atividade combinada de observação prática e pesquisa acadêmica levou a médica a experiências com as crianças ditas normais. Montessori graduou-se em pedagogia, antropologia e psicologia e pôs suas idéias em prática na primeira Casa dei Bambini (Casa das crianças), aberta numa região pobre no centro de Roma. Depois dessa, foram fundadas outras em diversos lugares da Itália. O sucesso das "casas" tornou Montessori uma celebridade nacional. Em 1922 o governo a nomeou inspetora-geral das escolas da Itália. Com a ascensão do regime fascista, porém, ela decidiu deixar o país em 1934. Continuou trabalhando na Espanha, no Ceilão (hoje Sri Lanka), na Índia e na Holanda, onde morreu aos 81 anos, em 1952. Poucos nomes da história da educação são tão difundidos fora dos círculos de especialistas como Montessori. Ele é associado, com razão, à Educação Infantil, ainda que não sejam muitos os que conhecem profundamente esse método ou sua fundadora, a italiana Maria Montessori. Primeira mulher a se formar em medicina em seu país, foi também pioneira no campo pedagógico ao dar mais ênfase à auto-educação do aluno do que ao papel do professor como fonte de conhecimento. "Ela acreditava que a educação é uma conquista da criança, pois percebeu que já nascemos com a capacidade de ensinar a nós mesmos, se nos forem dadas as condições", diz Talita de Oliveira Almeida, presidente da Associação Brasileira de Educação Montessoriana. Individualidade, atividade e liberdade do aluno são as bases da teoria, com ênfase para o conceito de indivíduo como, simultaneamente, sujeito e objeto do ensino. Montessori defendia uma concepção de educação que se estende além dos limites do acúmulo de informações. O objetivo da escola é a formação integral do jovem, uma "educação para a vida". A filosofia e os métodos elaborados pela médica italiana procuram desenvolver o potencial criativo desde a primeira infância, associando-o à vontade de aprender - conceito que ela considerava inerente a todos os seres humanos. 

Ao defender o respeito às necessidades e aos interesses de cada estudante, de acordo com os estágios de desenvolvimento correspondentes às faixas etárias, Montessori argumentava que seu método não contrariava a natureza humana e, por isso, era mais eficiente do que os tradicionais. Os pequenos conduziriam o próprio aprendizado e ao professor caberia acompanhar o processo e detectar o modo particular de cada um manifestar seu potencial.

Por causa dessa perspectiva desenvolvimentista, Montessori elegeu como prioridade os anos iniciais da vida. Para ela, a criança não é um pretendente a adulto e, como tal, um ser incompleto. Desde seu nascimento, já é um ser humano integral, o que inverte o foco da sala de aula tradicional, centrada no professor. Não foi por acaso que as escolas que fundou se chamavam Casa dei Bambini (Casa das crianças), evidenciando a prevalência do aluno. Foi nessas "casas" que ela explorou duas de suas idéias principais: a educação pelos sentidos e a educação pelo movimento.

Saiba mais em Educar para Crescer 

4 comentários:

Kinha disse...

Me lembro, quando cursei pedagogia, como fiquei abismada ao saber que antes da montessori, não havia móveis adaptados para as crianças. Lembro também que depois me toquei: Ué kinha, você acha que essa idéia sempre existiu? dããããã
:)

Vanessa Vieira disse...

Olá Cris! Bom demais! Os posts sobre os pensadores foram bastante interessantes! E a escola da Montessori para a finalização foi fantástica. Creio que realmente ela teve uma participação muito especial para a história da Educação! Abraço Grande!

Pedagoga Viviane disse...

Cris e meninas do educação em Foco, muito obrigada pela visitinha ao meu blog e pelo carinho. É uma honra fazer pARTE DESSE BLOG maravilhoso de vocês!!!
Mil bjs Estarei sempre por aqui!

Genis disse...

Adorei a série!
Tive uma ideia de fazer uma serie também... aguarde...rsrs
Beijos!
Genis ♥