30 de agosto de 2011

Desenvolvimento da linguagem

É importante começar explicando que existe uma diferença entre fala e linguagem. A fala se refere basicamente à forma de articular sons nas palavras. A linguagem significa expressar e receber informações de modo significativo. É compreender e ser compreendido através da comunicação. 
Uma criança com problemas de linguagem pode conseguir pronunciar bem as palavras, mas ser incapaz de colocar mais de duas palavras juntas. Inversamente, a fala de uma outra criança pode ser difícil de ser compreendida, mas ela usa palavras e frases para expressar suas idéias. Problemas com fala e linguagem diferem, mas ás vezes coincidem.
Com mais ou menos dois anos de idade, a maioria das crianças já tem vocabulário que lhes permite expressar-se verbalmente com facilidade. Algumas já utilizam frases simples e conseguem relatar fatos. Contudo, além das diferenças individuais, que devem ser respeitadas, precisamos estar atentos a fatores que, quando alterados, podem interferir no desenvolvimento normal da linguagem. Estes podem ser:

Problemas com o Sistema Nervoso Central (SNC): Crianças com problemas no nascimento (anóxia neonatal) devem ter seu desenvolvimento de linguagem observado mais atentamente. Além disso, atrasos significativos no desenvolvimento motor junto com atraso na aquisição de linguagem, podem ser indicativos de alterações no SNC.

Deficiências mentais: Estas crianças geralmente apresentam atrasos globais, o que atrasa sua exploração e interação com o mundo, causando atrasos ou distúrbios na aquisição de linguagem.

Deficiências Auditivas: Geram atrasos e distúrbios no desenvolvimento da linguagem e da fala.

Alterações nos órgãos da fala (lábios, língua, palato, bochechas): Crianças com a língua e bochechas muito "molinhas" (hipotônicas), ou com fissuras lábio-palatais podem apresentar alterações de linguagem e articulatórias.

Fatores emocionais: Vínculos afetivos pobres, abandono, rejeição e maus tratos, podem contribuir para atrasos no desenvolvimento da linguagem. Ao contrário, boas relações afetivo-emocionais entre mãe/criança, propiciam evolução da linguagem muito satisfatória.

Influência social: Crianças que vivem em ambientes tensos ou com pessoas que a super-protejem e fazem tudo por ela tendem a ser mais imaturas que as outras de sua idade, e a se comportar como "bebês" por mais tempo, atrasando o desenvolvimento de linguagem, da aprendizagem e, muitas vezes, o desenvolvimento global da criança.

Muitos pais ou professores têm dúvidas de qual é o momento, ou a idade certa, para procurar atendimento fonoaudiológico. O importante é não esperar para avaliar, uma vez que a detecção precoce de qualquer dificuldade facilita muito a reabilitação. Crianças com a idade de 12 a 18 meses já devem ser avaliadas quando se suspeita de atraso nas habilidades de comunicação. Os pais devem também procurar ajuda se seu filho de qualquer idade não responde a sons

Crianças com boas habilidades comunicativas geralmente são mais seguras e felizes!




..............................................................................................................
Quer participar do  blog Educação em Foco?
Nos envie uma postagem!
Todas as terças feiras é dia do colaborador.
Coloque seu conhecimento na Rede!
Divulgue seu trabalho!



3 comentários:

Fanny Barbosa disse...

Interessante não sabia da diferença entre uma coisa ou outra!
Fico aliviada porque meu filho articula muito bom o que quer transmitir!

Vanessa Vieira disse...

Informação bastante preciosa essa Genis.É sempre importante conhecermos, os aspectos que, além dos conteúdos, permeiam nossas práticas. Abraço!

Tatiane souza disse...

Bom dia, Tenho um BB de 18 meses, ele usa palavras monossílabo e algumas vezes dissílabo trocando, ou seja, carro- cagu, água-aua e fala muito mamãe os outros integrantes da família pra ele n "existe". É o caso de procurar um fono, ou devemos respeitar o tempo dele. faço estímulo,ou seja , quando ele quer algo aponto e eu pergunto o q quer.
Obg.
Parabéns pelo trabalho.