13 de maio de 2011

Reflexões sobre a prática docente.

(foto divulgação)

Nós, professores atuantes no ensino-aprendizagem de qualquer disciplina, em dado momento de nossas vidas, certamente nos questionaremos a respeito do tipo de professor que somos. De fato, este é um tema que exige bastante reflexão, pois são muitas as variáveis envolvidas para que consigamos chegar a uma resposta clara quanto ao tipo de professor que somos.
 Devemos levar em consideração que somos o resultado de nossas experiências como seres humanos, como eternos aprendizes e de nossa percepção da questão aprendizagem/ensino (enquanto aluno) e de ensino/aprendizagem (enquanto professor). Além disso, é importante destacar que o processo de formação de um professor começa muito antes do curso de graduação, ele tendo noção quanto a isso ou não.
As estratégias usadas para aprender durante sua vida antes e durante o ciclo escolar, o meio em que foi criado, á influência das diversas pessoas que passaram por sua vida, os tipos de ensino a que foi exposto, os livros que leu, as decepções que sofreu, os desafios que superou entre tantos outros acontecimentos, são peças nesta construção por acabar que é o ser professor.
 O breve olhar de um professor em seu passado já lhe permite lembrar os muitos modelos que passaram por sua vida e, também, o reflexo deles no modo como se ensina.
Quais estratégias preservou em seu ensinar, quais aboliu por discordar, quais substituiu e o que o motivou a isso, quais ressignificou?
Suas crenças do que é ser um bom ou mau docente, a motivação pela escolha da carreira - vocação, meio de subsistência, carreira, ocupação ou emprego, sua busca por aprimoramento, a fé no outro (neste caso os alunos), á vontade de fazer diferença na sociedade tendo o poder de influenciar positiva ou negativamente um outro ser, são itens que mostram que tipo de professor tenho sido.
Uma única resposta para esta pergunta “que tipo de professor eu sou?” é algo que é difícil de definir, pois, no minuto seguinte já há a possibilidade de ser um docente melhor sendo este ser em eterna evolução.
No entanto, vale muito a reflexão sobre que tipo de docente você é hoje, que tipo de docente você quer ser e o que precisa fazer para atingir isto. Aqui vão algumas dicas:
- Trace paralelos;
- Crie metas;
- Registre as mudanças que for percebendo e
- Lembre-se de que sempre é tempo de deixar para trás modelos que nos prendem e seguir adiante ressignificando nossas práticas.
Referencia: Beyond Methods (Yale University Press, 2003) Experiências diversas levam a diferentes percepções de ensino, como por exemplo, ensinar.
 
Regina Gregório
http://reginapsicopedagoga.blogspot.com

2 comentários:

Kinha disse...

Fui educada do modo tradicional (bota tradicional nisso, rs) mas apesar de tudo, em comparação com certas coisas que vejo hoje, das quais discordo, reconheço que ele tem muitas vantagens.

Genis disse...

Ah, Regina... são tantas atribuições à nós...

Eu sempre faço essa reflexão e busco sempre melhorar.
Lembro de alguns professores que passaram por minha vida e que me deixaram marcas muito negativas. Não quero ser como eles.
Amei sua postagem... ♥