26 de março de 2011

Inclusão Escolar


“Amar não significa tornar o outro adaptado, submisso ou semelhante a nós. Amar significa libertá-lo, deixá-lo livre, deixá-lo viver.” Penny Mc Lean


Inclusão escolar não significa promover a adequação ou a normalização de acordo com as características de uma maioria e sim, a um significado de fazer parte conviver e não se igualar.

A idéia fundamental de inclusão é a de adaptar o sistema escolar às necessidades dos alunos. A inclusão propõe um único sistema educacional de qualidade para todos os alunos, com ou sem deficiência e com ou sem outros tipos de condição atípica.


A inclusão se baseia em princípios tais como:

A aceitação das diferenças individuais como um atributo e não como um obstáculo;

A valorização da diversidade humana pela sua importância para o enriquecimento de todas as pessoas;

O direito de pertencer e não de ficar de fora;

O igual valor das minorias em comparação com a maioria.

O processo de socialização se dá de uma forma muito complicada, deve ser um trabalho realizado junto com todos os envolvidos no processo: pais e toda a comunidade escolar.

Haverá momentos de exclusão por alguns grupos e isto deverá ser trabalhado inicialmente antes de qualquer atividade, pois é de praxe a aproximação do ser semelhante excluindo o ser diferente.

A inclusão escolar deveria partir de cada educador que está dentro de uma escola e não imposta na maneira como acontece, hoje, dentro das escolas.

Olhar para os alunos ditos “especiais” como um ser humano igual a qualquer outro, mas que precisa de uma atenção especial do educador, sem discriminações.

A inclusão escolar pode ter muitos avanços, basta os educadores se dedicarem mais aos alunos especiais, fazendo planejamentos mais adequados à realidade desses alunos e criar uma ponte com os conteúdos programáticos exigidos pelas escolas.

 

No ano de 2010, tive uma experiência com um aluno especial. A minha turma era de alfabetização, com 26 alunos, um deles era especial, retraído e isolado, sempre procurava fazer meus planejamentos adequados às necessidades dele e promover a interação com o restante da turma, para que não se sentisse excluído do grupo, obtive resultados bons.

Acredito que uma das soluções para a inclusão escolar acontecer de verdade, hoje, é que as escolas, em especial, os educadores, não olhem para as dificuldades e barreiras que virão pela frente, mas trabalhar com o que temos e procurar alcançar os objetivos pretendidos.


O único foco sendo a aprendizagem, a formação do caráter do nosso aluno. Desta maneira, a inclusão poderá se promovida por todos.

Deve reconhecer-se que a integração dos alunos com necessidades educativas especiais implica muito mais do que colocar simplesmente o aluno numa escola regular. 

Trata-se de um processo em que o aluno tem oportunidades para se desenvolver e progredir em termos educativos para uma autonomia econômica e social. 

A integração é igualmente um processo em que as próprias escolas necessitam de mudar e de se desenvolver com o objetivo de proporcionar um ensino de elevado nível a todos os alunos e o máximo de acesso aos que têm necessidades educativas especiais.



4 comentários:

Prô Cris Chabes disse...

Excelente post Camila, falar desse momento de integração é muito importante.
Tenho vivido essa situação na sala de aula há alguns anos e esse é um tema constante nos meus post.
Beijocas e parabéns
Cris Chabes

Vanessa G. Vieira disse...

Adorei o post Camila. Também concordo que a Inclusão deve ser entendida como "favorável" a todos os alunos. Parabéns!

Regina Gregório disse...

Olá educadoras, muito bem colocado o texto por nossa colega, é uma pena que a maioria das escolas vê a inclusão apenas quem sobre de alguma deficiencia, esse post deve ser trabalhado em todas as unidades escolares.
Parabéns Camila.

Genis disse...

É muito bonito falar em inclusão, mas a verdade é que as escolas não estão preparadas e nem os professores para isto!!