25 de março de 2011

AUMA Associação dos Amigos da Criança Autista

Fiz um curso em 2008 com Eliana Rodrigues Boralli a fundadora da Auma, pois tinha uma aluna com autismo e queria poder ajuda-la de forma correta. Uma pessoa maravilhosa que lutou e aprendeu tudo o que podia sobre diferentes áreas com o objetivo de ajudar sua filha. Mas ela não podia deixar tantas outras crianças sem assistência e assim nasceu a AUMA.

Se você é professora e ama seu trabalho então precisa conhecer essa associação.

A AUMA – Associação dos Amigos da Criança Autista – é uma entidade assistencial, sem fins lucrativos, fundada na cidade de São Paulo, em 25 de Janeiro de 1990, que tem como objetivo maior criar programas educacionais de adaptação social de crianças autistas.
Nasceu da dificuldade da Sra. Eliana Rodrigues Boralli em encontrar vaga para sua filha autista.


No início, foi tudo muito difícil. Os trabalhos foram desenvolvidos três meses na residência da Sra. Eliana. Depois, uma sala foi cedida em outra entidade (Auta de Souza) e, posteriormente, através da Campanha “Pingo de Gente” da Lorenzetti, adquiriu-se a sede própria.Em fevereiro de 1993, a Associação iniciou seu trabalho na sede localizada à Rua Félix Pacheco, 91, no Alto de Santana – São Paulo, entretanto, esta sede tornou-se
pequena, porque as crianças cresceram e o número de atendimento aumentou.
Hoje, a sede localiza-se à Rua César Zama, 257 no bairro de Santana, em uma área de 3.000 m2, carinhosamente conhecida como “O recanto dos Tuins”, área esta que foi concedida pelo Estado, através de um decreto assinado pelo governador Dr. Geraldo Alckmin.


Depois de ter transposto parte das dificuldades, a AUMA realiza inúmeras atividades do seu programa de atendimento social e entre elas estão:

a) atendimento de orientação, encaminhamento e treinamento de familiares;

b) treinamento e orientação de profissionais interessados e estudantes;

c) esclarecimento à comunidade em geral, através da divulgação da temática autismo e

d) atendimento educacional de crianças e adolescentes autistas, um atendimento com todas as características de escola, onde os resultados poderão servir para pesquisas futuras e, acima de tudo, uma escola onde as crianças são vistas e compreendidas como alunos; uma escola onde a intervenção ocorre na pessoa e não somente no autismo.


Conheça a AUMA

2 comentários:

Vanessa G. Vieira disse...

Oi Cris. Adorei seu post, Que trabalho fantástica este da AUMA. Como sempre seus posts estão maravilhosos. Anh! Tenho que dizer que eles estão me ajudando muito na faculdade. Estou fazendo a disciplina políticas Públicas de Inclusão. Adoro ler suas experiências, muitas vezes são elas que me vem a mente quando estou lá na sala. Adoro demais! Beijo grande para você!

Genis disse...

Cris, eu tive um aluno autista. Na verdade a escola não apoiou em quase nada meu trbalho, eu tive que por mim mesma me informar, correr atrás de tudo, mas a família também não aceitava o 'problema' do filho.
Ele permaneceu um tempo ainda na escola e quando foi para o 6º ano, a mãe tirou.
Não sei como ele está ultimamente, mas fiquei sabendo que seu pai faleceu.
Eu fico muito preocupada com os alunos especiais. Fico mesmo. Percebo que as ecolas ainda não estão preparadas para a inclusão.
Vc sempre nos enriquece com suas experiências.
Mega beijo, Genis.