9 de janeiro de 2011

SER PROFESSOR NO SÉCULO XXI

Que tal começarmos o ano falando sobre o novo perfil do professor?
Estive pesquisando sobre esse assunto durante o último período e achei interessante compartilhar com vocês! Afinal, esse assunto vem sendo amplamente discutido entre os educadores!


Recentemente enquanto lia a Revista Nova Escola me deparei com uma  reportagem que retratava esse assunto: O perfil do professor. Vinha mencionando uma pesquisa feita pela consultoria Norte americana McKinsey, pois a mesma elaborou um estudo para saber que procedimentos usam os países que tem melhor rendimento na Educação. Chegaram à conclusão de que selecionar melhores professores, está entre as principais ações desses países.
A reportagem diz ainda, que  o governo Federal está criando o Exame Nacional de Ingresso na Carreira Docente e que esse exame deverá servir como referência para a contratação  na Ed. Infantil e nas Séries Iniciais e diz ainda, que esse Projeto inclui 20 características que todo profissional da Educação deveria ter.
Bom... Acho que chegamos!
Desculpem-me as “voltas”... Mas era exatamente aqui, que eu gostaria de chegar. Que características seriam essas? Será que elas realmente são viáveis? Aonde, realmente, o governo quer chegar com essas ações?
Essas e outras perguntas permearam meus pensamentos depois da leitura da referida reportagem e por esse motivo, antes de prosseguir com a discussão, sobre esses perfis, deixarei aqui uma proposta.
Publico aqui as 20 (vinte) características propostas pelo MEC e solicito a vocês que deixem suas opiniões. É viável? Não é viável? Que característica você acha mais difícil de ser atingida? E assim, na próxima postagem trago uma discussão mais detalhada sobre essas características.  O que acham?

Então vamos lá:

20 qualidades do professor ideal:


                                                                                                                     

8 comentários:

Genis disse...

Pra iniciarmos uma discussão, concordo que sejam elencados essas 20 qualidades, mas muito mais ainda está pra se discutir.
Trabalho em várias instituições diferentes, conheço dezenas de professores e parte do problema educacional é sim da falta de formação dos professores.
Certa vez, lendo na Nova Escola mesmo, me deparei com o seguinte texto: Maior parte dos candidatos a professores vem de famílias de baixa renda e pouca escolarização, estudou em escola pública, trabalha para pagar a graduação e faz parte de um grupo com fraco repertório cultural.
É... Vanessa.... temos muito a discutir ainda...
Ótima postagem, caminho certo!
Bjks, Genis.

Vanessa G. Vieira disse...

Concordo com você Genis! Muitas vezes os professores se acostumam com a situação de "calamidade" em que foram obrigados a trabalhar e por isso por terem que trabalhar não dão valor à graduação que fazem, como você disse um sacrifício enorme para pagar. Deveriam dar valor a isso, mas não dão! E por isso se esquecem que é preciso estar sempre se atualizando, correndo atrás das novidades! Achei interessante as colocações colocadas pois de certa forma nos obrigam a rever nossa prática e quem sabe, mudar de vez as atitudes. Creio que não basta apenas criticar o que não é feito mas sim, e principalmente, pensar no que pode ser feito por nós. para que essa fila comece de vez a andar!

Ps.: Estou adorando fazer parte desse grupo maravilhoso! Abraços meninas e aos 'seguidores' também!

#GRASIELA# disse...

Concordo com as 20 qualidades do professor ideal, mas é necessário também que o país esteja realmente disposto a investir em educação de qualidade, do que vale o professor possuir essas qualidades se esse sistema educacional não nos dá essa "qualidade" de trabalho, é fundamental também escolas dignas para as crianças, material didático, fardamento e merenda escolar de qualidade (sofro muito com isso no meu município). Mas é importante que o professor não se contagie com essa situação e se entregue ao sistema, ele tem que mostrar que é capaz e que pode fazer um trabalho de qualidade. Precisamos estudar sempre, ler e ler muito e está sempre antenados as mudanças e novas propostas educacionais. (...)
Um forte abraço!!!

Josandra Rupf disse...

Concordo com a Genis. Faço o curso de Direito em uma Faculdade particular e o curso de pedagogia na Universidade, me deparo todos os dias com essas diferenças.
Mais não acredito que os professores oriundos das classes populares não possam construir as competências necessárias para a realização de um bom trabalho educativo.
O que falta não é a formação acadêmica (esta limitada a recortes dos livros, xerox) mais sim uma formação global e individual.
Na realidade a falta é de responsabilidade com o fazer pedagógico.


Adorei este debate...

Proponho um "Desafio da blogueira"

Este desafio consiste em criar uma forma de discutirmos temas sobre a educação, criar um espaço para o debate sobre o nosso papel quanto educador - educando.
E só entrar que você encontrará varios posts, estou esperando a sua resposta
http://professorinhamuitomaluquinha.blogspot.com/search/label/desafio%20da%20blogueira

Prô Cris Chabes disse...

Fantástico esse texto!
Adorei a idéia de iniciarmos uma discussão.
Oportuno o link feito pela Genis sobre quem é o professor hoje.
É incrível pensar que ainda hoje, querem colocar toda a responsabilidade do ensino somente na figura do professor, como se estado e família não fizessem parte deste processo.
Mas incrível ainda e achar que nós, professoras, devemos ter habilidades em todas as áreas do conhecimento e ter um repertório cultural infinito. Cabe aqui uma crítica: "Quem elabora as leis e governa um país também não deveria ter essas habilidades?
Sou a favor da formação continuada para os professores. Estamos fazendo isso aqui neste blog.
Mas creio que a principal qualidade de um professor ideal ficou de fora!! É o AMOR incondicional pela profissão, pelos alunos, pelos desafios diários na sala de aula, por fazer parte de cada família e por acreditar que a educação é o único caminho para o crescimento de um país, pois ela é!!
Vamos falar muito a respeito!!
Parabéns!
Beijocas
Cris Chabes

dicasdeciencias.com disse...

Muito lega!
Quem pensa que ser Professor, hoje em dia, é só dominar seu conteúdo, entrar em sala e dar seu recado; está imensamente enganado!

Adorei.
Andréa

Monalisa Rocha Ribeiro de Almeida disse...

Falar de educação é como falar de religião, não há consenso, são múltiplas verdades, por vezes dogmas que muitos educadores se atrelam para explicar e legitimar suas condutas. Além de fatores econômicos, políticos e sociais, que nós tão bem conhecemos.
Chamo a atenção aqui para o primeiro comentário, e coloco isso como algo positivo. Tendo em vista os esteriótipos que são constantemente associado as classes menos favorecidas, o interesse por fazer um curso superior mostra como esses determinismos arraigados no imaginário social, não podem ser consideradas comum a todos. A questão da educação no Brasil não está associado aos grupos que entram nos cursos de licenciatura, mas como eles estão sendo formados, e quais as condições concretas que os possibilitam atuar em meio a atual realidade da escola no século XXI.

Vanessa Vieira disse...

Concordo com você Monalisa. Não dá mesmo para colocar apenas o ingresso na ensino superior, na formação continuada, ou seja qual for a "ATUALIZAÇÃO" como possibilidade única de melhorias na educação deste século. Vou dizer a você que também não tenho as respostas concretas para estas perguntas... Mas fico com a responsabilidade que creio, é minha... De buscar, correr atrás daquilo que acredito ser a educação e fazer as coisas que acredito, são funções dos professores. (funções que estão implícitas à carreira do magistério e que nós aceitamos desde o primeiro momento que pisamos dentro de uma sala de formação de professores). Gostei muito de sua fala. Sejas bem vinda!!! Passe por aqui mais vezes para deixar registrada suas ideias... Abraço!