17 de janeiro de 2011

Método Natural. Você conhece?

Dentre alguns métodos e teorias sobre a Alfabetização que venho pesquisando,encontrei algumas coisas sobre o Método Natural e achei muito interessante.Esse foi um dos assuntos mais acessados do meu blog, gostaria de dividir com vocês o texto de Gilda Rizzo, grande pesquisadora deste método no Brasil:

"Vejo muitas vezes o termo natural ser empregado de uma forma equivocada quando se refere à qualificação que se deseja dar a uma escola. Na verdade, o qualificativo “natural” nasceu de uma extensão do emprego do significado dado originalmente a um método de alfabetização criado por mim. Isso se justificava visto que a metodologia de alfabetização fora criada em função de promover a seqüência natural de transformações que ocorrem num indivíduo quando este constrói um sistema de leitura, isto é aprende a ler. Portanto “método natural” seria aquele que promove o processo natural, isso é: o processo fisiológico, de construção de sistemas operacionais de leitura. Este ‘método natural de alfabetização’ preconiza também que seja necessariamente modificado o ambiente educacional, como um todo. Visto não apenas na sua forma física, mas, sobretudo, no seu sistema ou regime de relações sociais. Isso porque julgamos essencial contar com a iniciativa do aluno no ato de aprender, na ação de procurar a solução, interessar-se voluntariamente e responsabilizar-se por ela. Para isso foi necessário que criássemos uma metodologia que permitisse ao aluno escolher a forma de realizar a sua atividade, para que se empenhasse motivado, por sua livre opção. Em decorrência deste princípio escolhemos a única dinâmica de classe possível, para que o aluno pudesse fazer escolhas e tomar decisões e, inevitavelmente, rejeitamos a postura tradicional do mestre que acredita que sabe tudo que precisa “passar” esse conhecimento ao aluno e a substituímos por uma atuação democrática do professor.
O termo natural veio emprestado do método inicialmente de alfabetização e abrangeu a escola que se propôs a estender essa filosofia às séries seguintes. Aquela onde o conteúdo é construído a partir do conhecimento existente no grupo, trocado entre os alunos e acrescido pelas leituras e pesquisa. É fixado pelos diferentes registros escritos, ilustrados e ou dramatizados, feitos por redação própria do aluno e não apenas por texto ditado pelo professor, lido no livro e treinado pelo exercício de respostas a questionários impressos no livro ou em apostilas, como ocorre na escola tradicional, que reflete nítida e exclusiva valorização da memória. Hoje, nossa metodologia é conhecida como “construtivista”.
Escola Natural é aquela onde a sala mantém um espaço livre para as rodas de conversa. Oferece grupos de mesa formados de acordo com o número de atividades do dia. Estantes e armários para guarda do material sempre acessível ao aluno e onde a turma participa da organização do mobiliário e equipamentos da sala e opina sobre a melhor arrumação para as atividades do momento. Não há lugares fixos. Os grupos se organizam em torno de um propósito escolar.
É aquela onde os cadernos registram e acumulam informações úteis à fixação do conhecimento que está sendo construído e a redação é quase exclusivamente feita, de próprio punho, pelo aluno. O objetivo se desloca da memorização e se preocupa em fazer o aluno criar métodos e sistemas próprios de aprender e de estudar. Isso é o oposto do que ocorre na escola tradicional, onde estes acumulam matéria, quase sempre copiada de textos escritos no quadro de giz, que terão que ser lidos e decorados pelos alunos depois.
A Escola Natural é um espaço social, altamente disciplinado, onde os alunos respeitam regras e limites estabelecidos por eles mesmos, de comum acordo, e onde o professor é um líder democrático, coordenador das motivações e atividades do grupo, que exerce as funções de estimulador, consultor, orientador e executor das políticas estabelecidas no grupo. Tem a responsabilidade de prover o ambiente de materiais pedagógicos e experiências educativas adequadas e a função de cobrar o cumprimento das regras estabelecidas. Isso é bem diferente do que ocorre na escola tradicional onde o mestre supostamente “passa” o “saber” aos alunos, como autoridade indiscutível do conhecimento.
A Escola Natural é uma escolha inteligente de pais que acreditam que seu filho saia mais fortalecido e seguro pela apropriação do conhecimento, construído por ele mesmo, do que se tivesse apenas memorizado e têm certeza que democracia, assim como delicadeza, não se aprende decorando frases copiadas do quadro de giz, mas se aprende vivendo democraticamente. São pais que desejam construir uma sociedade futura efetivamente democrática, composta por cidadãos democráticos, seu filhos, criados em regime democrático, dentro de sua sala, dentro do espaço escola, inseridos no seu grupo. Pais que esperam isso da educação de seus filhos.

Gilda Rizzo
(Pedagoga pós-graduada em Estimulação do Desenvolvimento/UFRJ; Especialista em Educação Infantil e Alfabetização; Autora de várias obras na área de Educação Infantil e Alfabetização e na de medicina social; Assistente da Professora Heloísa Marinho nos cursos de Estimulação do Desenvolvimento/UFRJ e de Pedagogia Especial/IERJ; Seguidora de Dewey; Kilpatric; Jean Piaget; Margaret Mahler e Vigotsky; No Brasil, amiga e companheira na linha pedagógica de Lourenço Filho; Anísio Teixeira e Paulo Freire.)


Professora Melissa Machado
http://professoramelissa.blogspot.com/

3 comentários:

Carla Pathy disse...

Melissa,
que postagem interessante!!!
Olha, alfabetizo há 18 anos e, sem saber (ou juntando um pouquinho do que leio aqui e ali, trabalho assim em sala de aula!
Nossa, me ACHEI!!!!
Obrigada por proporcionar essa maravilhosa leitura!
Beijinhos, Carla Pathy

melissa disse...

Na verdade esse método é muito parecido com o Construtivismo que costumamos usar,salvo algumas situações como por exemplo,o uso da letra script.estou lendo alguns livros sobre esse método e sempre que puder colocarei algumas sugestões aqui!

Educação em Foco disse...

Muito interessante o texto Melissa, vou savá-lo para ler com calma depois! A Gilda é maravilhosa mesmo, tem umas colocações bem interesantes de se observar. Parabéns pela escolha!